Eleições do exterior, você realmente conhece todas as oportunidades de votação?

Recurso ao voto por correspondência, possibilidade de voto presencial antecipado, existência de voto por procuração. Mais uma vez, assembleias de voto móveis. O Parlamento Europeu está a trabalhar na “reorganização” da participação popular tendo em vista as eleições europeias de 2024. O objetivo é disponibilizar para votação informação atualmente pouco divulgada. A Comissão de Assuntos Constitucionais da Eurochambre está elaborando a primeira parte desta proposta, que deve chegar imediatamente ao hemiciclo, para a plenária de dezembro (12 a 15). O resultado da votação – 18 a favor, 4 contra e nenhuma abstenção – sugere uma maioria que pode ser confirmada pelo hemiciclo.

As propostas para facilitar a participação nas eleições europeias visam interceptar aqueles cerca de 11 milhões de cidadãos da UE que se encontram noutro Estado-membro da UE e para quem o exercício do direito de voto pode ser um problema. Cada estado membro tem suas próprias regras, o que é uma verdadeira selva. Mesmo para os cidadãos irlandeses, malteses, checos e eslovacos, não é possível votar nas eleições europeias se estiverem fora do seu país. Em nove outros Estados-Membros (Bulgária, Chipre, Croácia, França, Grécia, Itália, Polónia, Portugal, Roménia), o voto por correspondência não está previsto, enquanto o voto eletrónico só é possível para os cidadãos da Estónia.

Nem todo mundo sabe que residir em outro país da União oferece novas oportunidades, como a possibilidade de poder votar em candidatos do Estado em que se encontra, por meio de candidatura. Desde que você saiba que tem esse direito. Um italiano registrado na Bélgica, por exemplo, pode optar, também por conveniência, por votar em candidatos belgas (renunciando a votar em candidatos italianos). Neste caso, pode recorrer às regras nacionais, como o voto por procuração, caso não possa deslocar-se à assembleia de voto.

O que a Comissão dos Assuntos Constitucionais pede é que se facilite o acesso dos cidadãos não nacionais a toda a informação que lhes permita participar na votação. Em síntese, “vamos tornar as nossas eleições mais acessíveis” a todos, sublinha Damian Boeselage (Verdes), relator do texto aprovado em comissão. Para tal, é necessário “garantir que a informação esteja disponível no maior número possível de línguas da UE e que a sociedade civil tenha um papel importante a desempenhar na sensibilização”.

A revolução, a real, parece ser de âmbito mais complexo. Se a demanda por mais informações puder ser feita, e rapidamente (e a votação imediatamente agendada na Câmara serve a esse propósito), a reforma dos sistemas eleitorais nacionais pode nem acontecer. É competência dos Estados que, especialmente no Conselho da UE, devem decidir por unanimidade. O Parlamento gostaria que o voto por procuração, por correspondência e até por via electrónica fosse comum a todos os Estados-Membros, e pede-o na medida do possível. Os governos nacionais são incentivados a “considerar a introdução” dessas possibilidades internamente. Entretanto, esforçam-se por informar os seus cidadãos sobre o que podem fazer no estrangeiro e o que acontece quando se registam no município de outro país.

As obrigações que o Parlamento Europeu gostaria de desencadear são, portanto, diferentes. Permitir o registo eleitoral logo que o eleitor se registe para residência, informar os cidadãos móveis numa língua oficial da UE que compreendam sobre os seus direitos e prazos futuros, garantir os mesmos padrões de apresentação de candidaturas para cidadãos nacionais e móveis da UE. Além disso, facilitar o exercício do direito de voto por parte de grupos vulneráveis ​​e marginalizados, incluindo deficientes, idosos, sem-teto e presidiários que gozam do direito de voto. Todas as coisas que podem ser feitas imediatamente e sobre as quais os deputados devem chegar a um acordo unânime no Conselho.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *