Eleições, Meloni para Il Giornale d’Italia: “Cdx vencerá e governará unido”. Uma primeira-ministra? “Vamos quebrar tabus” – ENTREVISTA EXCLUSIVA

Presidente Meloni, a centro-direita tem chance de ganhar as eleições. Como são as relações com os aliados?

“Com o partidos de coalizão do Centro-direita certamente temos tons diferentes. E é fisiologicamente que eles se destacam na campanha eleitoral. Dito isto, governamos juntos e governamos juntos 15 regiões em 20 e em muitos municípios. E fazemos isso muito bem, porque temos a mesma visão geral e ideias compatíveis. O problema parece-me que eles o têm à esquerda, onde todos fingem estar em guerra. Eles nos dizem que querem voltar ao governo, mas não dizem que para ir para lá eles devem se reunir novamente: Pd, M5S, Calenda, Fratoianni, a bonino e Companhia. Estamos, portanto, claros e nos encontraremos na Piazza del Popolo, em Roma, para encerrar a campanha eleitoral. Os outros não.”

Segundo ela, essa campanha eleitoral muitas vezes assumiu conotações violentas. O caso Emiliano é impressionante.

“Este campanha eleitoral ele revelou a verdadeira face do Partido Democrata e da esquerda italiana ao tirar a máscara: quando a democracia chegou, eles perderam a calma, tornaram-se um partido extremista, violento, aliado daqueles que querem impedir comícios. No entanto, isso não nos impediu de falar sobre o que os italianos estão interessados ​​e seguimos nosso caminho e preenchemos as caixas, mostrando que os italianos queriam ouvir sobre trabalho, família, estratégia industrial, como salvar esta nação. E a afluência que vimos, enchendo as caixas de norte a sul, foi extraordinária.”

A esquerda parece buscar o apoio de governos estrangeiros. Letta viajou para Berlim para conhecer o SPD e o chanceler Scholz. O que você acha dessa estratégia? Poderia ser útil para fins eleitorais?

“Eu não acho que o apoio de governos estrangeiros e os principais jornais internacionais de esquerda podem influenciar o voto dos italianos. Acho muito irresponsável o que a esquerda fez, alimentando-se de estrangeiros contra nós na tentativa, talvez, de aumentar o spread e afugentar alguns investidores: uma manobra feita contra a Itália para tentar ganhar as eleições. Porque eles são assim, para eles o partido é mais importante que a nação, para nós não é. Acredito que os italianos também entendem isso”.

Como você pretende reviver a ocupação?

“Devemos reduzir o custo do trabalho, ou seja, reduzir a carga tributária. A alta carga tributária sobre o trabalho é um dos principais obstáculos que impedem a criação de novos empregos na Itália e a competitividade de nossas empresas nos mercados internacionais. Por isso, é necessário intervir com corte limpo estrutura da carga fiscal e contributiva, a favor dos trabalhadores e das empresas, com o duplo objectivo de garantir salários mais elevados, protegendo assim o poder de compra das famílias erodidas pelo aumento da inflação, e de aliviar a pressão fiscal sobre o sistema produtivo italiano, dando às empresas espaço para respirar e tornando-as mais competitivas nos mercados internacionais, limitando assim o fenómeno de deslocalização da produção. A Fratelli d’Italia propõe que a redução seja de dois terços a favor dos trabalhadores e de um terço a favor das empresas, reduzindo a cunha em pelo menos 5 pontos percentuais para os rendimentos do trabalho até 35 mil euros, mesmo imaginando uma intervenção dividida em duas etapas sucessivas. O FdI propõe então introduzir uma tributação para empresas que diz “quanto mais você contrata, menos você paga” para recompensar aqueles que criam riqueza e empregos na Itália. No prazo imediato, pretendemos introduzir uma superdedução para 120% custos trabalhistas mais altos para novas contratações para empresas que aumentam o emprego na empresa em comparação com anos anteriores, e em uma extensão ainda maior, até 150%no caso de recrutamento de pessoas desempregadas há pelo menos doze meses, mães jovens, maiores de 55 anos e deficientes”.

Contas altas estrangulam famílias e derrubam setores produtivos inteiros. O que pode ser feito?

“A única forma de reduzir o custo da energia é limitar o preço do gás a nível europeu e estabelecer uma separação do custo da energia produzida com gás da energia produzida com outras fontes. Se a Europa não o fizer, então teremos que fazê-lo a nível nacional. Pode ser feito, em diferentes contextos, Espanha e Portugal já o fizeram, pagando metade do que pagamos pela energia. Mas os mecanismos para o fazer são muitos, o FdI prestou atenção qual custaria 3-4 bilhões e permitiria uma redução significativa nas contas. E sem a necessidade de dar dezenas de bilhões de dinheiro público à especulação internacional”

O sucesso nos Irmãos da Itália e nas eleições de centro-direita pode trazer uma mulher ao governo italiano pela primeira vez na história.

“UMA mulher no Palácio Chigi iria desmistificar um tabu que se arrasta há demasiados anos e quebraria o dossel que impede a mulher de emergir nas instituições, no mundo do trabalho e na sociedade. É por isso que eu realmente espero que os italianos escolham em 25 de setembro votar a favor dessa mudança. Não seria apenas um passo simbólico: queremos promover concretamente o caminho para a igualdade e superar as disparidades salariais de gênero, ajudar as mulheres a conciliar o trabalho com o direito à maternidade, como também está escrito preto no branco em nosso programa”.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.