Em Portugal, 300 mil pessoas vão poder votar antecipadamente nas eleições políticas para reduzir o risco de infeção por coronavírus

Em Portugal, cerca de 300.000 pessoas têm iniciado votar antecipadamente para as eleições gerais, marcadas para 30 de janeiro. A possibilidade – para os 10 milhões elegíveis – de se registarem antecipadamente para votar foi dada nos últimos dias pelo governo, com o objetivo de reduzir aglomerações nas assembleias de voto e o risco de contágio do coronavírus resultante no próprio dia das eleições . E limpo.

Sim valorizado que existem atualmente cerca de 600.000 pessoas em quarentena no país, que ainda poderão participar nas eleições da próxima semana, preferindo o período entre 18 e 19, quando geralmente há menos afluência de eleitores nos gabinetes de votação.

As eleições antecipadas foram convocadas no início de novembro do ano passado pelo Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, depois de os dois partidos de esquerda que apoiavam o governo não terem conseguido chegar a um acordo com o Partido Socialista para aprovar a lei das finanças de 2022.

O Partido Socialista do primeiro-ministro português António Costa liderou um governo minoritário baseado no apoio externo do Partido Comunista (PCP) e do Bloco de Esquerda (BE). A coligação era a mesma que governava desde 2015, mas após as eleições de 2019, as relações entre os partidos deterioraram-se gradualmente: nos últimos meses, o apoio do PCP e do BE aos socialistas deixou de ser tão evidente, sendo negociado cada medida individual. O PCP e o BE, em particular, reclamam há meses uma lei das finanças mais ambiciosa, com aumentos do salário mínimo, do serviço nacional de saúde, das pensões e dos salários dos funcionários públicos. Segundo as pesquisas, um quadro ainda mais fragmentado pode emergir das novas eleições.

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.