Em Portugal, onde as vacinas são grandes e a polémica é “a espuma dos dias”

Aqui também há um soldado à frente da força-tarefa, virologistas invadiram a TV e a extrema direita está soprando o fogo do protesto antivacina. No entanto, os portugueses foram vacinados em massa. Graças a uma excelente organização. Semelhanças e diferenças com o nosso país

Lisboa. Mesmo em Portugal, desde o início da pandemia, multiplicou-se o número de virologistas e especialistas presentes no espaço público por vários motivos, mas ninguém “castiga” ninguém nas redes sociais, nem levanta a voz na TV. Também em Portugal à frente da força-tarefa da vacina está um soldado, o vice-almirante Henrique de Gouveia e Melo, que aparece em público todos os dias estritamente camuflado, como se fosse para a guerra na África. Alguém se apaixonou e elogiou, outro temeu o culto à personalidade do homem fardado e tentou fazer soar os alarmes habituais, mas as paixões e as polémicas perderam-se no que os portugueses, com um bom francismo de Boris Vian , chamam-lhe “a espuma dos dias”.

Os números são certamente lisonjeiros: 100.000 vacinas só no último fim de semana (administrado principalmente a adolescentes de 12 a 17 anos) e uma média de mais de 57 mil vacinações por dia na semana passada, o que impulsionou o país ao primeiro lugar na Europa e entre os primeiros do mundo. Assim, ontem, 1 de setembro, o objetivo que o governo do socialista António Costa tinha fixado para outubro já tinha sido alcançado, nomeadamente que 85% da população recebeu pelo menos uma dose das principais vacinas aprovadas, enquanto 74% dos vacinados já fizeram o reforço. Tudo isso sem maiores contratempos ou exceções ao princípio da não obrigatoriedade.

Certamente também em Portugal, para continuar com as semelhanças, houve manifestações antes contra fechamentosentão contra máscaras (embora muitos manifestantes tenham saído às ruas com máscaras estritas) E finalmente contra vacinas. Um descontentamento que a extrema direita, em Portugal ainda relativamente fraca mas notoriamente crescente, tentou colocar o chapéu. Mas uma grande parte desses resistentes permaneceu apolítica, como as centenas de jovens que nos bairros da “movida” (hispanismo que eles não sonhariam em usar tanto aqui quanto na Itália) se reúnem e se recusam a se dispersar mesmo após o horário de fechamento . Para o resto, para convencer os portugueses a vacinarem-se, bastava uma logística queembora com algumas exceções infelizes (in)evitáveis, deixou tudo bem simples: reservas online, chamadas por sms, hubs operacionais quase sempre eficientes. E as porcentagens de desordeiros até agora têm sido tão insignificantes que nem foi necessário ameaçar com uma ação disciplinar severa.. Mesmo nos hospitais, os funcionários sempre tiveram a liberdade de recusar, mas as exigências e até mesmo a pressão para agilizar o processo fizeram com que a ordem médica negociasse com a força-tarefa a criação de um corredor para administrar seis mil vacinas a todos os profissionais que têm condições precárias ou relações laborais irregulares com o Serviço Nacional de Saúde. Este serviço nacional de saúde, longe de ser um carro-chefe irrepreensível do país, tornou-se, no entanto, uma frente importante na batalha política dos últimos anos. Sempre testada pelas sucessivas crises económicas e pelos consequentes cortes orçamentais na história recente (a intervenção da Troika em 2011 em Portugal foi a terceira em pouco mais de três décadas), a saúde pública é sempre uma questão sensível e o programa de vacinação, em particular, é uma ferramenta que tanto os médicos de clínica geral como os escolares têm conseguido disseminar sem grandes atritos com a população.

A obrigatoriedade do certificado de vacinação (ou, na sua falta, de teste negativo) mantém-se em vigor no setor da hotelaria e restauração. Mas mesmo aqui já estamos pensando em antecipar o terceira fase de reabertura, removendo pelo menos algumas restrições para restaurantes, bares e casas noturnas. Para já, a primeira a cair será sem dúvida a obrigatoriedade do uso de máscara ao ar livre. Adotada há um ano, a lei expira em 12 de setembro e o Parlamento não deve renová-la. A política precisa de lucros imediatos e em 26 de setembro se aproximam as eleições locais que, apesar do habitual “hand on”, acabam sempre afetando a saúde do governo e da oposição.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.