Enquanto Roma e Berlim lutam por imigrantes, Ocean Viking pede ajuda à França, Grécia e Espanha: ainda sem resposta

À medida que continua confronto diplomático entre Itália E Alemanha após o pedido enviado por Berlim sobre a assistência que Roma deve prestar aos navios das ONG envolvidas no resgate de náufragos no Mediterrâneoas organizações denunciam situações de crise a bordo de seus barcos e decidem contornar o novo governo de Giorgia Melão. o oceano viking do Sos Mediterrâneotransportando 234 migrantes resgatados ao largo da costa Líbiarealmente pediu ajuda Grécia Espanha E França“Apesar de repetidos pedidos aos centros de coordenação de emergência de Malta E Itália – dizem – ainda não foi indicado porto seguro “ao navio” o que permanece incerto”. “Este bloqueio no mar – sublinha o coordenador da ONG Nicolas Stella – Não está sozinho moralmente vergonhoso mas desrespeita importantes disposições legislativas do direito marítimo internacional e do direito humanitário”. Nas posições de Stalla também oUnião Europeia que, pela boca do porta-voz da Comissão, Anitta Hipperdisse: “Estamos a acompanhar a situação de perto e vimos que há três navios com pessoas a bordo que pediram ajuda. A Comissão não é responsável pela coordenação, deve ser enfatizado que é uma obrigação moral e legal para ‘resgatar pessoas no mar’.

Agora, porém, não há tempo a perder, dizem os operadores, por causa da condições extremas a que os náufragos a bordo foram submetidos durante dias. “Eles precisam desembarcar com urgênciarazão pela qual pedimos às autoridades marítimas da Grécia, Espanha e França, que são as mais “capazes de prestar assistência” (de acordo com as normas internacionais), que facilitem a designação de um porto seguro para o desembarque de homens, mulheres e crianças”. E depois atacam o comportamento das autoridades italianas e maltesas que continuam a não dar resposta aos pedidos de ajuda: “Eles viraram as costas para essas mulheres, crianças e homens – eles insistem – A situação a bordo do Ocean Viking está correndo, anuncia o tempo Vento forte ondas altas é um queda de temperaturas até o final da semana e os estoques estão acabando. Os náufragos devem desembarcar sem mais demora. estamos enfrentando uma emergência absoluta e cada dia adicional de espera pode ter consequências fatais”.

No entanto, os operadores não se preocupam apenas com as condições físicas das pessoas resgatadas. De facto, existe também uma forte preocupação com a tensão psicológica dessas pessoas: “No seu país de origem, durante a viagem à Líbia e no mar, alguns dos sobreviventes testemunharam morte de seus companheiros de viagem ou sofreu violência extrema – explica a psicóloga que está a bordo da Humanidade 1 – Muitas delas eles devem ter visto amigos ou familiares se afogarem, caindo do bote na noite anterior ao resgate. É justamente por isso que a maioria dos mineiros a bordo mostra condições psicológicas críticas e consequências claras dos eventos traumáticos vivenciados. A cada dia, sua necessidade de chegar a um lugar seguro se torna mais urgente”.

Se você somar o número de pessoas a bordo do Ocean Viking (234), di Humanidade 1 (179) e Geo Barents (572), estão bem 985 migrantes à espera de porto seguro onde desembarcar para receber os cuidados e assistência necessários. “Os três navios – acrescenta Sos Méditerranée – têm enviado repetidos pedidos de porto seguro aos centros de coordenação de salvamento marítimo mais capazes de prestar assistência, nomeadamente Malta e Itália. Sem respostas. Estamos perante um silêncio ensurdecedor. Além deste silêncio, que há anos é uma triste prática, em 25 de outubro o novo Ministro do Interior italiano Matteo Piantedosi emitiu uma diretriz na qual advertia as forças policiais e as autoridades portuárias que o Ministério do Interior estava “avaliando” a proibição de nosso navio entrar em águas territoriais italianas. Uma proibição implícita porque nunca foi comunicada ao nosso barco de forma alguma”. Assim, a ONG insta “Os Estados-Membros europeus e os Estados associados a respeitar as suas obrigações e a restabelecer um sistema de desembarque previsível. A pressão deve ser aliviada sobre os Estados costeiros europeus que não pode ficar sozinho diante de um problema que afeta todo o continente. No entanto, este sistema deve garantir a possibilidade de desembarque dos sobreviventes no porto seguro mais próximo da área onde são realizadas as operações de busca e salvamento. Os náufragos resgatados no mar não podem ser objeto de debates políticos”.

O Ministro das Relações Exteriores também interveio para defender a posição italiana, Antonio Tajanique queria esclarecer como na imigração “só pedimos a cumprimento das regrasfizemos isso oficialmente, com muita graça, mas também com muita firmeza – declarou em Berlim entrevistado por Rai – Temos que colaborar muito com um país amigo e um grande interlocutor como a Alemanha, então quando temos que passar uma mensagem, principalmente sobre a questão da imigração, fazemos isso com determinação, mas para garantir o cumprimento das regras. Pedimos que os navios das ONGs respeitem as regras europeias ao resgatar alguém no mar e depois pedir para atracar nos portos mais próximos”. Sua parada na capital alemã, antes de seguir para o G7 Negócios Estrangeiros de Münsterisso serviu para ele participar da cúpula sobre Balcãs Ocidentais na chancelaria de Olaf Scholz. Também nesta ocasião, o chefe do Farnesina reiterou que “é necessária a colaboração entre todos os países europeus, mas também com os países dos Balcãs, para travar a imigração ilegal porque corre o risco de se tornar um problema cada vez mais grave para todos nós”. Tajani também reiterou o conceito durante o encontro com seu colega alemão, Annalena Baerbockafirmando que “precisamos de um maior coordenação europeia, começando com a pasta de migração. Reiterei a posição italiana sobre os navios das ONGs. Eles também devem respeitar as regras europeias. Trabalharemos juntos pela paz em Ucrânia“.

o Comissão Europeia Exorta os Estados-Membros a cuidarem das pessoas que necessitam de ajuda o mais rapidamente possível, mas, ao mesmo tempo, solicita novamente mais solidariedade intra-europeia sobre a questão da imigração. E explica que apoia ativamente o Conselho e o Parlamento a ativarem o mais rapidamente possível o trílogo sobre a proposta de imigração, agora que se chegou a um acordo político para terminar o trabalho até 2024. Quanto ao mecanismo de solidariedade sobre a transferência em substituição de os migrantes estão se registrando no momento 8.000 ofertas móveis e 38 candidatos que aceitaram. Mecanismo que também pode ser usado para redistribuir os migrantes atualmente retidos em navios ao largo da Itália.

O mecanismo temporário de solidariedade foi decidido no passado mês de Junho por iniciativa da Presidência francesa para dar resposta às dificuldades migratórias dos Estados-Membros de primeira entrada na fronteira mediterrânica. Foi assinado por 18 países da UE – incluindo a Itália – e três países associados. A contribuição assume a forma de deslocalização ou, para os países que não aceitam esta forma de solidariedade, são esperadas outras contribuições ou financeiras ou de pessoal para a gestão de fronteiras. Os signatários, além de Roma, são a Alemanha, BélgicaBulgária, Chipre, CroáciaEspanha, FinlândiaFrança, Grécia, IrlandaLituânia, LuxemburgoMalta, HolandaPortugal, República ChecaRomênia, NoruegaSuíça Listenstaine. Durante PolôniaHungria, ÁustriaDinamarca, EstôniaLetônia, Eslováquia Eslovênia E Suécia não aderiu.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *