Estado da saúde na Europa. As diferenças entre residentes e estrangeiros. Itália entre os países com menos diferenças e um nível mais alto de boa saúde geral

O inquérito do Eurostat comparou a autopercepção do estado de saúde entre residentes de países da UE para diferentes faixas etárias e distinguiu entre estrangeiros de fora da UE, estrangeiros da UE e cidadãos do país de acolhimento. A situação na Itália está entre as melhores de todos os tempos, tanto para os italianos quanto para os estrangeiros residentes.

27 DE SETEMBRO

Na UE, em 2020, a percentagem de residentes estrangeiros com idade igual ou superior a 16 anos com alegadamente má ou má saúde era inferior à dos residentes com a nacionalidade do país de residência (7,8% para cidadãos de fora da UE contra 7,2% para cidadãos da UE de outros países em relação ao seu local de residência e em comparação com 8,6% dos cidadãos da UE do país de acolhimento).

No entanto, observa o Eurostat, que compilou esta estatística, esta reflete as diferentes estruturas etárias dos cidadãos e não cidadãos: os estrangeiros que vivem em agregados familiares na UE são mais jovens do que os nacionais do país de acolhimento, enquanto que a percentagem mais elevada de pessoas em ou saúde muito precária é entre pessoas de 45 a 64 anos.

Daí a necessidade de uma análise mais aprofundada por faixa etária para comparar a saúde dos estrangeiros com a dos cidadãos da UE.

Na faixa etária dos 16 aos 44 anos, não surgiram diferenças significativas entre cidadãos e não cidadãos em termos de autoavaliação de saúde ruim ou muito ruim (2,3% para cidadãos do Estado de acolhimento contra 2,5% para outros cidadãos da UE e 2,3% para não cidadãos -cidadãos da UE).

No entanto, diferenças significativas surgiram na faixa etária de 45 a 64 anos. Enquanto apenas 8,0% dos cidadãos do Estado de acolhimento disseram estar com a saúde ruim ou muito ruim, essa porcentagem sobe para 10,0% dos outros cidadãos da UE e 14,8% dos cidadãos de fora da UE.

Entre os Estados-Membros da UE, a percentagem de cidadãos não pertencentes à UE com idades compreendidas entre os 45 e os 64 anos que consideram a sua saúde como má ou muito má é mais elevada na Alemanha (28,7%), na Dinamarca (26,0%) e em França (25,6%).

Entretanto, as percentagens mais baixas registam-se na Polónia (2,3%) e Itália (2,4%), enquanto na Finlândia não existe um número significativo de cidadãos não comunitários com idades compreendidas entre os 45 e os 64 anos em muito mau ou mau estado de autopercepção de saúde em 2020.

Para os cidadãos da UE residentes noutro país da UE, a percentagem de pessoas com idades compreendidas entre os 45 e os 64 anos com problemas de saúde ou muito debilitados foi mais elevada em Portugal (27,0%), seguido da Letónia (16,9%) e da Áustria (15,9%).

As percentagens mais baixas foram observadas em Malta (1,2%), Irlanda (2,4%) e Itália (2,5%).

As percentagens mais elevadas de cidadãos do Estado de acolhimento com idades compreendidas entre os 45 e os 64 anos que consideram a sua saúde como má ou muito má em 2020 foram registadas na Croácia (14,8%), Eslováquia (13,2%) e Alemanha (12,6%), enquanto a mais baixa é registada em Malta (3,7%), Grécia (4,6%) e Itália (4,7%).

27 de setembro de 2022
© Todos os direitos reservados


Outros artigos em Estudos e análises

imagem_1

imagem_2

imagem_3

imagem_4

imagem_5

imagem_6

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *