Eurovisão 2022, Maro com “Saudade, saudade” vai representar Portugal

Portugal não volta à língua nacional. será mesmo “Saudade, saudade” do MARROCOS representar a televisão lusitana emFestival Eurovisão da Canção 2022 de 10 a 14 de maio aproximar Retábulo Olímpico de Torino.

A cantora e compositora, que ficou à frente de outros grandes nomes da competição, viu seus prêmios subirem nas três noites do show (duas semifinais e a grande final) e acabou conquistando o CancanFestivalque tradicionalmente selecciona o artista e a canção portuguesa para a Eurovisão.

Grande derrota para o cantor e compositor teráprotagonista das paradas lusitanas e juiz do The Voice de Portugal, viu-se no meio do pelotão.

Depois da incursão ao inglês com “O amor está do meu lado” do a mamba negra no ano passado, Portugal regressou apenas parcialmente, às sonoridades nacionais, mantendo um texto em inglês.

Como sempre, a vitória foi determinada por uma mistura de televoto e sete júris regionais, cada um composto por quatro elementos do mundo da música e do entretenimento.

MARROCOS ganhou em grande parte a votação dos júris regionais, que estabeleceram uma classificação de acordo com a clássica nota do Eurovision. As músicas foram imediatamente reposicionadas em um único conjunto de votos e, neste ponto, a vitória de MARO materializou-se matematicamente antes mesmo da conclusão do anúncio do conjunto de televoto.

Nas duas meias-finais, em vez dos sete júris regionais, estiveram presentes sete personalidades do mundo da música e do entretenimento, incluindo tatankalíder do Black Mamba, Dulce Pontes, começou na Eurovisão 1991 em Roma (“Lusitana paixão”) e hoje estrela internacional do fado e da world music e Teresa Salgueiro, ex-voz dos Madredeus e outro nome de renome internacional da música lusitana.

Com MARO, o alinhamento do Festival Eurovisão da Canção 2022 está concluído: no entanto, faltam ainda duas canções, as da Arménia e do Azerbaijão: já estão nas mãos da organização do concurso, de acordo com o regulamento, mas as TVs têm a oportunidade de revelá-los mesmo fora do prazo, que está marcado para a manhã de segunda-feira.

quem é maro

No palco em Turim chegará um artista de distantes origens italianasmas também irlandeses e cabo-verdianos, ou seja Mariana Secca aka MARO (estilizado em maiúsculas), cantor e compositor nascido em Lisboa há 28 anos, formado na Berklee College of Music

Formado em piano, guitarrista autodidata que tem tocado nos últimos anos ao lado de alguns dos nomes mais importantes da cena lusitana. Dois álbuns ativos, o primeiro dos quais curiosamente sai como uma trilogia, tanto em inglês como em português.

Cantora e compositora, esta é sua primeira participação no festival de música para o qual fora convidada como autora: como manda o regulamento, são mesmo os autores seleccionados que escolhem ou não a quem confiar o seu trabalho. No caso dele, ele decidiu apresentá-lo pessoalmente.

Espaço em Sanremo e além

Na parte final do show também houve espaço para um vídeo dedicado a Festa de São Remorelembrando a vitória de pele de maná e como foi Sanremo que inspirou o nascimento do Eurovision.

Citações também para Dominique Modugno com “No azul pintado de azul”, que partiu de Sanremo e que depois da Eurovisão 1958 conquistou o Grammy, a vitória de Gigliola Cinquetti na Eurovisão 1964, mas também para Totó Cutugno (segundo vencedor do Eurovisuel, com “Ensemble: 1992”, que Sanremo no entanto não venceu naquele ano; O voo e seu “grande amor”, Francesco Gabbani (o ano da vitória de Sobral, 2017) e claro Ermal Meta e Fabrício Moroque aconteceu em Lisboa em 2018.

Entre os atos de intervalo houve ainda espaço para um número musical envolvendo alguns ex-protagonistas da Eurovisão em Portugal: o já referido A Mamba Negra, Elisa Silva (designado por “Medo to feel” para a edição de 2020 e depois cancelado), susie (em competição em 2014 com “Quero ser tua”) e Cláudia Pascoal (em competição em Lisboa 2018 com “O jardim”).

Portugal na Eurovisão

A fórmula do Festival da cancão com os autores protagonistas foi escolhida em 2017 depois de uma série de insucessos e deu bons resultados, pois levou à primeira e única vitória, a de “Amar pelos deve” de Salvador Sobral no palco em Kyiv.

Antes disso, poucos resultados importantes para os lusitanos, o melhor resultado datado de 1996 com “O meu coração no tem cor” do Lúcia Moniz, que terminou em sexto lugar. Ano passado a mamba negra eles terminaram em décimo segundo.

Na edição de 2022, Portugal foi sorteado para disputar a segunda parte da primeira meia-final na terça-feira, dia 10 de maio, aquela em que também votará a Itália.

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *