Eurovisão 2022, Maro com “Saudade, saudade” vai representar Portugal

Portugal não volta à língua nacional. Será de fato “Saudade, saudade” a partir de MARROCOS representar a televisão lusitana naFestival Eurovisão da Canção 2022 de 10 a 14 de maio ao lado Palácio Olímpico de Turim.

A cantora e compositora, à frente dos outros grandes nomes da corrida, viu seus índices subirem durante as três noites do show (duas semifinais e a final) e no final conquistou o festa Çancãoque tradicionalmente seleciona o artista e a música portuguesa para a Eurovisão.

Grande derrota para o cantor e compositor teráprotagonista das paradas lusitanas e juiz do The Voice of Portugal, terminou no meio do pelotão.

Depois de uma incursão em inglês com “O amor está do meu lado” a partir de A mamba negra no ano passado, Portugal voltou apenas parcialmente aos sons nacionais, mantendo um texto em inglês.

Para determinar a vitória, como sempre, uma mistura entre o televoto e sete júris regionais cada um composto por quatro elementos pertencentes ao mundo da música e do entretenimento.

MARROCOS ganhou em grande parte os votos dos júris regionais, que estabeleceram uma classificação de acordo com a clássica nota Eurovision. As músicas foram imediatamente reposicionadas em um único conjunto de votos e, neste momento, a vitória de MARO materializou-se matematicamente antes mesmo da conclusão do anúncio do televoto.

Durante as duas semifinais, no lugar dos sete júris regionais, estiveram sete profissionais do mundo da música e do entretenimento, incluindo Tatankalíder da Mamba Negra, Dulce Pontes, começou no Eurovision 1991 em Roma (“Lusitana paixão”) e hoje é uma estrela internacional do fado e da world music e Teresa Salgueiro, ex-voz dos Madredeus e outro nome de renome internacional da música lusitana.

Com MARO, o line-up do Eurovision Song Contest 2022 está completo: ainda faltam duas músicas, as da Armênia e do Azerbaijão: elas já estão nas mãos da organização do concurso, de acordo com os regulamentos , mas as TVs o direito de revelá-los mesmo após o prazo, fixado para segunda-feira de manhã.

Quem é MARO

Na cena de Turim um artista com origens italianas distantes chegarámas também irlandeses e cabo-verdianos, ou seja, Mariana Secca aka MARO (estilizado em maiúsculas), cantor e compositor nascido em Lisboa há 28 anos, formado na Berklee College of Music

Formado em piano, guitarrista autodidata e que nos últimos anos tem tocado ao lado de alguns dos nomes mais importantes da cena lusitana. Dois álbuns em seu currículo, o primeiro dos quais curiosamente sai em trilogia, em inglês e português.

Cantora e compositora, esta é sua primeira participação no Festival de Cancao para o qual ela havia sido convidada como autora: conforme exigido pelas regras, são de fato os autores selecionados que escolhem confiar ou não seu trabalho. No caso dele, ele decidiu apresentá-lo pessoalmente.

Espaço em Sanremo e além

Na última parte do show também houve espaço para um vídeo dedicado a Festa de San Remorelembrando a vitória de Maneskin e como foi a própria Sanremo que inspirou o nascimento da Eurovisão.

Cotações também para Domenico Modugno com “No azul pintado de azul”, que partiu de Sanremo e que depois da Eurovisão 1958 ganhou o Grammy, a vitória de Gigliola Cinquetti na Eurovisão 1964, mas também para Toto Cutugno (segundo vencedor do Eurovision, com “Insieme: 1992”, que no entanto Sanremo não ganhou naquele ano; O voo e seu “Grande amor”, Francesco Gabani (o ano da vitória de Sobral, 2017) e claro Ermal Meta e Fabrizio Moroque aconteceu em Lisboa em 2018.

Entre os atos intervalados houve também espaço para um número musical que envolveu alguns ex-protagonistas da Eurovisão em Portugal: o já referido A Mamba Negra, Elisa Silva (designado por “Medo a sentir” para a edição de 2020 depois cancelado), Susie (em concurso em 2014 com “Quero ser tua”) e Claudia Pascoal (em concurso em Lisboa 2018 com “O jardim”).

Portugal na Eurovisão

A fórmula do Festival da cancão com os principais autores foi escolhida em 2017 após uma série de insucessos e deu bons resultados, pois levou à primeira e única vitória, a de “Amar pelos deve” de Salvador Sobral no palco em Kiev.

Antes disso, poucos resultados significativos para os Lusitanos, o melhor resultado remonta a 1996 com “O meu coração não tem cor” a partir de Lúcia Moniz, que terminou em sexto lugar. Ano passado A mamba negra eles fecharam os duodécimos.

Na edição de 2022, Portugal foi sorteado para disputar a segunda parte da primeira meia-final na terça-feira, 10 de maio, aquela em que a Itália também votará.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *