Eurovisão, tente Marius novamente | laRegione.ch

Podemos dizer o que quisermos sobre Marius Bear, sua música e a escolha suíça de confiar a ele o destino da Confederação no Festival Eurovisão da Canção. Um evento que, é verdade, é apenas um concurso de canto, não uma campanha militar, mas ao mesmo tempo um momento de entretenimento tópico. Diga o que quiser sobre ‘Boys Do Cry’, uma música de competição aclamada por profissionais, autores, arranjadores e orquestradores, mas afundada pelos televotos. ‘Boys Do Cry’, no que nos diz respeito, tem apenas um defeito: cantá-la é uma emergência. E não importa que a música seja em inglês (em 2014, Sebalter era inglês). “Boys Do Cry” simplesmente teve o destino de muitas músicas ótimas, talvez tenha ficado grande depois. E o destino é que às vezes eles funcionam e às vezes não. E nunca saberemos por quê.

O veredicto do televoto, no entanto – zero pontos, chegou no ano passado à Grã-Bretanha, mas com uma peça artisticamente inapresentável – deve nos fazer pensar. E até onde pensamos, nada mais nos vem à mente: a escuridão cenográfica em que Marius estava mergulhado teria funcionado contra ele? A piscadela aqui e ali para a câmera, a maquiagem um pouco pesada e esse coração projetado no rosto (que na fotografia parece um erro de impressão) teriam influenciado na espontaneidade de toda a operação? Ou o universo sonoro de Salvador Sobral que em 2017, por Portugal, surpreendentemente se impôs em Kyiv ao cantar ‘Amar Pelos Dois’, uma canção jazzística, já é pré-histórico?

Ao nos aproximarmos de Turim, a rádio Scarpa (ou “rumores”, também “rumores”) falou da certeza de que um falante de italiano nos agradaria; a certeza tornou-se um mero desejo; a esperança foi então perdida na fronteira. Também passamos por Tananai, a última em Sanremo, mas foi uma brincadeira (felizmente). Afinal de contas, se uma música em ucraniano ganhou em Turim, se a terceira é uma música em espanhol, se quinto é um mantra em sérvio, tornado compreensível por um simples bater de palmas, por que um falante de italiano poderia nunca nos ajude.

Marius Bear é um talento que deve ser preservado. Ele tem a bondade de um músico e o dom inato de alguém que também toca para os outros. Ele tem 29 anos, com o chapéu torto parece um garoto de 15 anos, quando canta parece um 40, e em Turim cantou como um 40. anos, como cantor de marinheiro , mestre de palco. E se o mundo está cheio de belas vozes, não está cheio de artistas completos. Passado o desconforto do “ponto zero” de sábado, Marius poderá recomeçar com sua bravura, sua voz e seu violão como Ed Sheeran, e como quem não precisa de cenografia para emocionar e, no entanto, , para excitar-se. .

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.