Eurovision Song Contest cada vez mais “político”. Ainda um boom de audiência

Há sempre um boom de público para a segunda semifinal do Eurovision Song Contest: foi seguido no Rai1 por 5 milhões 538.000 espectadores, ou 27,7% de share. Em suma, a atenção do público continua alta: as audiências estão perfeitamente alinhadas com as da primeira semifinal, seguidas de 5 milhões 507 mil espectadores ou 27% de share.

A política, oficialmente, nunca tem nada a ver com o Festival Eurovisão da Canção, mas está sempre ligada a ele. Ainda mais com a guerra em curso na Europa: a segunda meia-final dá-nos assim a dupla pacifista entre Mika e Laura Pausini nas notas de Sting e Patti Smith, mas também a Finlândia que abre as bolas no mesmo dia em que anuncia o saída dos procedimentos de entrada na OTAN, moedas que aludem ao confinamento, bandeiras ucranianas hasteadas aqui e ali por esta ou aquela delegação e também a atuação de San Marino Achille Lauro que o Patriarca Cirilo não deve ter gostado muito, supondo que viu isso. Nem ao público televoto que não o televotou.

Mika, Alessandro Cattelan e Laura Pausini (AFP)

Os últimos dez finalistas

Quanto ao veredicto da prova, entre as 18 nações em competição, Bélgica, República Checa, Azerbaijão, Polónia, Finlândia, Estónia, Austrália, Suécia, Roménia e Sérvia chegam à final. Na noite de sábado, 14 de maio, Inglaterra, França, Alemanha, Itália e Espanha enfrentarão os “cinco grandes”, aos quais se somarão Suíça, Armênia, Islândia, Lituânia, Portugal, Noruega, Grécia, Ucrânia, Moldávia e Holanda. , o último qualificado. Terça-feira.

Finns Rasmus (Ansa)

Vamos começar com a Finlândia (dia da OTAN)

Ironicamente, a primeira nação a se apresentar foi a Finlândia (em um dia que não é nada trivial para sua história) com The Rasmus, um velho conhecido roqueiro lutando com a doce balada. Jezabel. Michael Ben David, sob Israel, oferece o hino da auto-aceitação EU SOU, techno pegajoso raro. A mensagem é: “Tenha orgulho de quem você é”. Consciente da saúde, a sérvia Konstrakta higieniza suas mãos em um habitat clerical ao som perturbador eletro-pop de Em um corpo saudável. O que é preciso depois de dois anos de pandemia. O Azerbaijão dispensa o pathos pop de Nadir Rustamli (Escurecer).

Os georgianos Cirque Mircus (Ap)

A eliminação de Achille Lauro

Bela experimentação entre neo-prog e brit pop do Circus Mircus, representando a Geórgia com me tranque (também uma referência à contenção aqui?). No entanto, eles saem: seu reino não é deste mundo. Emma Muscat, ex-Altitude Friends em Malta, a joga na balatona de plástico (eu sou o que sou). Ela também sai. Foi dada especial atenção a San Marino, pois foi retratado por Achille Lauro montando um touro mecânico durante Stripper, provocação feminina em primeira pessoa. Também sentimos falta do beijo no guitarrista: nada muito novo sob o sol. O público internacional obviamente não gosta e o elimina. Imediatamente depois de Achille Lauro há alguém mais achillelauro dele: é o australiano Sheldon Riley que, por trás de uma máscara de cristal, twitta eu não sou mais o mesmo. É como se de repente se revelasse a diferença entre um teatral e um teatral que sabe cantar.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *