F1, Nelson Piquet e frases racistas contra Lewis Hamilton

“Linguagem discriminatória e racista é inaceitável e não tem lugar de forma alguma na sociedade.” o Fórmula 1 condena veementemente as observações racistas de Nelson Piquet feito para um podcast brasileiro em novembro passado, mas cujo áudio foi lançado hoje e pode ser encontrado em diversos jornais e redes sociais. “O mano etto colocou o carro para que Verstappen não pudesse desviar. O mano fez isso porque ele sabia que não poderia fazer aquela curva em dois. Ele teve sorte que apenas o outro carro bateu , ele agiu sujo”, disse o tricampeão brasileiro referindo-se ao acidente em Silverstone em 2021 entre Lewis hamilton E Max Verstappen.

Filha de Piquet está noiva de Verstappen

Palavras que provocaram fortes reações e também um forte mal-estar dentro da equipe Red Bull: a filha de Nelson, Kelly, está noiva de Verstappen, os dois moram juntos em Monte Carlo. Apenas alguns dias atrás, a equipe anglo-austríaca foi forçada a suspender suas atividades Juri Vips, 21, um piloto estoniano de seu berçário que corre na F2 por usar linguagem racista e homofóbica em um jogo Call of Duty (“há um ne* *o no ar”, então ele não queria colocar um chapéu rosa fingindo que era “gay”).

“Lewis é um grande embaixador do nosso esporte e merece respeito. Seus esforços incansáveis ​​para promover a inclusão e a diversidade são um exemplo para muitos e a F1 também está totalmente envolvida e comprometida nessa direção”, continuou o comunicado da F1. Ao que foi acrescentado o da FIA, a federação internacional: “A FIA condena veementemente qualquer linguagem e comportamento racista ou discriminatório, que não tenha lugar no esporte ou na sociedade em geral. Expressamos nossa solidariedade a Lewis Hamilton e apoiamos totalmente seu compromisso com a igualdade, diversidade e inclusão no automobilismo”.

Hamilton: ‘Não é apenas uma questão de linguagem’

A Mercedes também se posicionou, é claro: “Condenamos veementemente o uso de qualquer linguagem racista ou discriminatória. Lewis liderou os esforços do nosso esporte para combater o racismo e é um verdadeiro campeão da diversidade por dentro e por fora. Juntos, compartilhamos a visão de um automobilismo diversificado e inclusivo, e este incidente destaca a importância primordial de continuar lutando por um futuro melhor. Por fim, a intervenção do mesmo Luís, que começa com um retuíte: Hamilton primeiro republicou a postagem de um seguidor (“E se Lewis Hamilton twittou ‘Quem diabos é Nelson Piquet?’ e depois saiu do Twitter?”) e respondeu: “Imagine”. Em seguida, de forma mais ampla, o heptacampeão mundial escreveu em português (ele também recebeu cidadania honorária do Brasil): “Não é apenas uma questão de idioma. Essas mentalidades arcaicas devem mudar e não têm lugar no nosso esporte. Eu estive cercado por essas atitudes e objetivos ao longo da vida. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora de agir.”

Hamilton já lançou muitas iniciativas, incluindo a Comissão Hamilton para estudar, entender e abordar a falta de minorias envolvidas no automobilismo. A Mercedes tem projeto próprio, Accelerate 25, para cumprir a meta de contratar pelo menos 25% dos funcionários de grupos sub-representados e oferecer programas de educação sobre inclusão e diversidade, promovendo o acesso a carreiras no mundo da tecnologia, engenharia, ciência e automobilismo . Não apenas palavras.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.