Fascismo ontem e hoje – Infovercelli24.it

Fascismo ontem e hoje

Guido Michelone

As livrarias de Vercelli, como as de toda a Itália, têm exibido vários textos sobre o fascismo nos últimos meses, em virtude de um centenário (a Marcha sobre Roma) que ninguém teve o bom gosto de comemorar (até porque a lei proíbe) , com exceção de alguns fanáticos no cemitério Predappio onde Benito Mussolini está enterrado. Para além das muitas polémicas nas redes sociais, muitas vezes degenerando em discussões de bar, por este centenário e pelo Duce, as camisas pretas, a Segunda Guerra Mundial com anexos e links, mais do que passar palavras inúteis, deve-se ler, dado que durante vários meses a edição italiana – também nas bancas como atesta o sucesso da monumental obra de Renzo De Felice, concebida há mais de meio século – equipou-se para oferecer textos novos e antigos, a fim de explicar um acontecimento que se manteve único na a história das democracias ocidentais, embora, desde então, repetida até os nossos dias, em outros países do planeta. Entre os muitos livros de leitura fácil, mas sérios e úteis para compreender o momento de loucura coletiva que assolou a Europa entre os anos 1920 e 1920, um pequeno volume intitulado Mussolini me ne frego (editado por David Bidussa para lew Edizioni Chiarelettere) onde onze são analisados ​​e comentados os discursos que Benito Mussolini (1883-1945) proferiu em público entre 1904 e 1927; são as palavras de um homem determinado, que encara a política como um socialista anticlerical, palavras aqui relegadas para a história até ao momento em que é hoje Duce de Itália, o líder indiscutível onde, juntamente com a monarquia nominal de facto, cabe liderar e comando com mão de ferro. Nos discursos – longos demais para analisarmos aqui – além de um efeito retórico de óbvio anacronismo, o editor do livro – jornalista e professor – traça um fio condutor lógico entre o primeiro e o último Mussolini: a ideia da política como ação em detrimento da raciocínio; o constante desprezo pelo adversário humilhava até uma pessoa física (os assassinatos de adversários como Matteotti, Gobetti, Gramsci); uma referência insistente a valores fortes (Deus, pátria, família) igualmente importantes, mas geridos e apresentados com um absolutismo de peso, intencionalmente destinados a violar as regras do diálogo. A partir dos discursos deste livro, você pode adivinhar facilmente quantas chavões – talvez imediatamente descartadas ou suprimidas nos anos do pós-guerra e do boom – são agora assumidas por forças populistas, supremacistas e obscurantistas. Além disso, para além da Marcha sobre Roma – uma parada simbólica como a tomada do poder pelo rei Vittorio Emanuele III a Benito Mussolini – o entrincheiramento do fascismo foi gradualmente entendido como um falso movimento revolucionário, uma força conservadora ultranacionalista, uma força antiparlamentar com uma tendência reacionária, uma ideologia belicista destrutiva, da Itália, chega gradualmente a Portugal, Alemanha, Espanha, Hungria, Romênia, Grécia, Pérsia, América do Sul e no pós-guerra também em muitos países árabes capazes; e indiretamente, por culpa de Adolf Hitler (talvez o mais famoso seguidor da ideologia de Mussolini), o fascismo aliado tornou-se co-responsável, em apenas seis anos de guerra, por dezenas de milhões de mortes e pelo cancelamento de inúmeros testemunhos de antigos e modernos civilizações. Assim, a leitura do livrinho de David Bidussa ou da enciclopédia de Renzo De Felice (concluída nas bancas na próxima primavera) pode ser útil para muitas pessoas.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *