Fluxos migratórios, para 15 países de 27 acordo para a redistribuição de pessoas resgatadas no mar: cotas estabelecidas por Estados individuais

Itália, Grécia e Espanha, a Europa da solidariedade está a dar passos importantes no delicado jogo da gestão dos fluxos migratórios. Os três países mediterrânicos chegaram a um acordo político de princípio com os parceiros europeus para a recolocação dos requerentes de asilo, tudo a desenvolver de acordo com métodos que ficam ao critério dos governos. Os da Bélgica, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Alemanha, França, Croácia, Irlanda, Lituânia, Malta, Holanda, Portugal, Roménia, Suécia e Suíça, o grupo dos 15 que concordaram em aliviar o peso da pressão migratória nas fronteiras e os escritórios da Itália, Espanha e Grécia, que receberão ajuda financeira de todos os outros, aqueles que decidiram não cuidar dos migrantes.

A negociação é o culminar de um confronto, muitas vezes até tempestuoso, que se arrasta desde 2015, desde a crise migratória que atingiu Itália e Grécia. Em seguida, a Comissão Juncker propôs um mecanismo obrigatório de redistribuição de migrantes, enfrentando a ira do bloco dos países do Leste em particular. Ao final de um raciocínio inicial sobre a reforma do sistema comum de asilo, a ideia de solidariedade contra a responsabilidade abriu caminho. Os parceiros europeus abriram-se para assumir alguns dos migrantes que chegam ao território da UE, desde que os países de primeira chegada realizem as verificações, identificações e registos necessários, para evitar movimentos secundários (d de um país para outro da UE) de cidadãos extracomunitários ou irregulares do ponto de vista do direito à proteção ou que não cumpram as formalidades burocráticas.

No Conselho dos Assuntos Internos do Luxemburgo, esta abordagem encontra finalmente um ponto de chegada, inicialmente saudado pela Itália. Por último, existe “um sistema de recolocação de migrantes”, sublinha a Ministra do Interior, Luciana Lamorgese, no final de um dia de trabalho que não hesita em considerar “importante”. Mas tenha cuidado, porque o acordo, como um acordo político e em princípio, não entrará em vigor imediatamente. Precisamos do aval formal que a Presidência francesa do Conselho pretende trazer para casa até o final do mês, no final do semestre. Por conseguinte, será necessário o acordo interinstitucional com o Parlamento. Portanto, levará semanas ou até meses para que tudo comece.

Além disso, o acordo não altera o Regulamento de Dublin, o principal instrumento regulatório que rege o sistema comum de asilo, que reconhece o ônus da gestão dos migrantes que chegam aos países de primeira chegada. Mas é certamente uma mudança de paradigma significativa, tanto que Lamorgese não esconde que está “confiante de que haverá também um aspecto positivo para as futuras políticas de imigração”.

Os 15 países membros (há também a Suíça, um país que não é membro da UE, mas faz parte do espaço Schengen para a livre circulação de pessoas, bens, capitais e serviços) permanecerão livres para decidir em que medida contribuir . As ações, em sua maioria, serão escolhidas nas e pelas capitais em questão. Em qualquer caso, a Itália, a Grécia e a Espanha serão obrigadas a efectuar controlos à chegada e a introduzir regularmente todos os dados na base de dados europeia comum Eurodac, a actualizar praticamente em tempo real. cidadãos às autoridades competentes de outros países, “no âmbito da cooperação policial operacional transfronteiriça”.

A Comissão está satisfeita. A Chefe do Interior, Ylva Johansson, anuncia “o grande progresso” registado no Luxemburgo. Após anos de debates e confrontos, a Europa dos Estados parece ver uma solução para um problema até então insuperável.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.