frutas e legumes na Europa estão mais contaminados do que há 10 anos

Um novo estudo baseado numa amostra de 100.000 testes realizados em 27 países europeus contradiz os dados oficiais publicados pela Comissão. Os resíduos de produtos fitossanitários nas principais frutas e hortaliças não estão diminuindo, pelo contrário estamos testemunhando um verdadeiro boom

Foto de Juraj Varga do Pixabay

O relatório PAN Europe sobre resíduos de pesticidas em 2011-2019

(Rinnovabili.it) – Eles crescem em 53% em menos de 10 anos os vestígios de pesticidas nas frutas e produtos hortícolas vendidos na Europa. Ele o estabeleceu um estudo da Pesticide Action Network (PAN) Europa em uma amostra muito grande, de aproximadamente 100.000 testes, realizados nos vários países da UE.

Um resultado que contradiz os dados oficiais fornecidos por Bruxelas. De acordo com a Comissão, de fato, em 2019 os resíduos de produtos fitofarmacêuticos nos alimentos teriam diminuído 12% em relação ao período 2015-2017. Utilizando os mesmos parâmetros de tempo, o PAN detecta um aumento de 8,8%.

Mais e mais pesticidas no prato

Entre 2011 e 2019, o aumento de vestígios de pesticidas é um número transversal para produtos e países europeus. Vamos levá-lo kiwi por exemplo: no início da década passada, apenas quatro em cada 100 frutas estavam contaminadas com substâncias tóxicas, enquanto hoje o percentual subiu para 32%. Aumento semelhante também para cerejas. Hoje, uma em cada duas cerejas contém vestígios de pesticidas em comparação com 1 em cada 5 em 2011.

“O aumento da frequência de vendas de frutas e hortaliças contaminadas para os consumidores anda de mãos dadas com aaumento da intensidade de pesticidas usadoscom um uso crescente de combinações químicas, substâncias que deveriam ser eliminadas na Europa”lemos no relatório.

Também para este aspecto os dados são muito claros. Em 2019, o último ano para o qual existem dados disponíveis, até metade das peras produzidas na Europa estavam contaminadas com pelo menos 5 substâncias diferentes. Em alguns países a situação é ainda pior: na Bélgica é de 87% de peras e em Portugal é de 85%.

“Os consumidores estão agora em uma posição horrível, sendo instruídos a comer frutas frescas, muitas das quais estão contaminadas com os resíduos de pesticidas mais tóxicos ligados a sérios efeitos à saúde”.ele comenta Salomé Roynel pela PANE Europa. “É claro que os governos não têm intenção de banir esses agrotóxicos, independentemente da lei. Eles têm muito medo dos lobbies agrícolas, que dependem de uma química poderosa e de um modelo agrícola em crise”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *