Generali e Donnet descartam fusão com Unicredit e outras agregações na Itália

Empresa líder na Europa e com estratégia de expansão no Velho Continente. Foi assim que Philippe Donnet, CEO do grupo Generali, apresentou sua empresa à Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o sistema bancário e financeiro da Câmara dos Deputados. “Somos o número um em Itália e noutros países, graças às recentes aquisições tornámo-nos no segundo player em Portugal e na Grécia”, acrescentou o dirigente, salientando que nos últimos seis anos a empresa sediada em Trieste “implementou com sucesso dois planos”.

Donnet: Generali é bom para todos, não pertence a certos empresários

“A Generali é tão importante que é um bem de todos, um bem comum e por isso precisamos de governança corporativa pública com possibilidade de listagem do conselho de administração, como aconteceu durante a última reunião”, continuou o CEO da Trieste empresa, respondendo a perguntas da comissão parlamentar de inquérito, salientando que, por outro lado, “a Generali não deve ser propriedade de determinados empresários”. “Alguns tiveram uma visão diferente, mas os acionistas na última reunião fizeram sua escolha, eles queriam essa governança e, portanto, vamos continuar nesse caminho”, acrescentou.

Donnet também respondeu a comentários sobre a defesa do caráter italiano de Generali. “Sou francês e também sou italiano há 10 anos, meu antecessor me chamou para liderar a Generali Italia e por 9 anos sempre li essa coisa sobre os franceses, mas não há interesse de nenhuma empresa francesa, é uma fantasia”, disse o líder. De fato, especificou, “há cinco anos nasceu neste país a ameaça à independência, à integridade e também ao caráter italiano de Generali. Muitas vezes os perigos para Generali não vêm de fora, mas do próprio país”.

Não há hipótese de fusão com a Unicredit

O número um da empresa explicou então que não há hipótese agregação entre Generali e Unicredit, nenhum projeto, “não se encaixa na nossa estratégia porque não faz sentido, estamos falando de profissões completamente diferentes: seguro é uma coisa, banco é outra”, declarou Donnet, respondendo a uma pergunta específica durante a comissão parlamentar . “Seria um enfraquecimento de ambas as empresas, e isso vale para qualquer banco, não apenas o Unicredit”, explicou, “o Banca Generali é outra realidade, não faz empréstimos, é uma empresa de gestão de patrimônio. O CEO concluiu explicando que a intenção é crescer organicamente na Itália, “não há mais motivos para fazer outras agregações no país”, Donnet disse depois de comentar a recente aquisição da Cattolica, acrescentando que queria “integrar Cattolica da forma certa, respeitando a sua identidade e desenvolvendo ainda mais a sua presença no território. Procuraremos sinergias no que diz respeito às pessoas, emprego e território” . “. (Todos os direitos reservados)

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.