George Best: a magia e os excessos do “quinto Beatle”

Pelé bom, Maradona melhor, George Best» : uma vida no fio da navalha, repleta de fraquezas e truques de bola e corrente. Vamos rever o a vida do melhor através dos sucessos, das frases, das anedotas e das derrotas que fizeram dele um dos futebolistas emblemáticos do século passado. Um homem que cometeu muitos erros, por um lado, e um atleta que encantou Old Trafford na segunda metade da década de 1960 e além, por outro.

Quem foi George Best

  • Nascimento: 22 de maio de 1946
  • R: Belfast
  • Nacionalidade: Irlanda do Norte
  • Falecimento: 25 de novembro de 2005 (59 anos)
  • Posição: Avançado, ponta-esquerda
  • Pé: ambos
  • Altura: 1,75m
  • Peso: 65kg
  • Estreia na Primeira Divisão: 14 de setembro de 1963 (vs West Bromwich)
  • Estreia internacional: 5 de abril de 1964 (contra o País de Gales)
  • Internacionalizações/golos da seleção: 38/9
  • Aparições/golos pelo Manchester United 470/179
  • Última aparição pelo Manchester United: 2 de janeiro de 1974
Fonte: Getty Images

É Belfasta capital da Irlanda do Norte, sendo o berço do Jorge Best. Ele nasceu em 22 de maio de 1946, o primeiro filho de Dickie Best e Anne Whiters, na zona leste da capital, em um bairro popular. Seu pai é trabalhador nos estaleiros da cidade, enquanto sua mãe trabalha em uma fábrica de cigarros. Jorge fica impressionado com o jogo de futebol e – como sua mãe diria mais tarde – em todas as fotos de sua infância ele seria retratado com um balão a reboque: aos 11 anos, para saciar esse desejo, ele deixou a Grosvenor High School – uma renomada escola especializada, porém, em rugby – e se reuniu com seus antigos colegas de classe na Lisnasharragh Secondary School. O futebol no centro do seu universo, de imediato.

Mas quando a oportunidade chega muda a vida do jovem George? Ele tem quinze anos, bola e corrente, faz coisas diferentes dos outros e por isso logo se junta ao Cregagh Boys Club, na Lisnasharragh Intermediate School: ele é dois anos mais novo que seus adversários, mas voa em campo. E Bob Bishop, observador do Manchester United que assistiu aos números de Best, não tem dúvidas: “Encontrei um gênio”, informou rapidamente aos dirigentes dos Red Devils e ao lendário Matt Busby.

Posição, número da camisa e habilidades dos melhores

Mas quais foram os especificações técnicas de George Best? Medindo 175 cm para 65 kg, Georgie era um driblador em série. Bravo com os dois pés, representava um unicum em relação ao rude jogo inglês que o cercava: mergulhava nesse contínuo arremesso de bola entre o céu e a lama e saía com alguns saltos elegantes, deixando para trás os adversários e voando em direção ao meta. Na verdade era um campo aberto que trouxe suas melhores qualidades, sendo sua frequência de passos significativamente maior que a de seus oponentes.

Uma combinação de técnica e astúcia mesmo de forma a explorar as irregularidades dos ressaltos. E esse componente mental, tão central em seu jogo, não deveria ser nenhuma surpresa se – ao longo dos anos e da mão de seu Dependências – parecia falhar, fazendo com que o desempenho de Best falhasse. Associado por todos ao 7, o norte-irlandês também usava outros números: naquela época, aliás, o número estava atrelado à posição em campo e ele trocou vários deles. A partir de ASA esquerda para ASA direitamesmo às vezes interior: O melhor era o primeiro violino em todos os lugares, desde que sua cabeça e suas pernas estivessem de pé.

Carreira de George Best

O começo

Bispo é ouvido e para Jorge Best portas abertas Liga Premiada (pai da atual Premier League). Parta de Belfast com um amigo e embarque para Liverpool, escala em Manchester. O desejo de trilhar terrenos tão prestigiosos é forte, mas Best é apenas um jovem extremamente talentoso, com suas fragilidades e saudades justificadas. Para isso, quando período de testefugir e ir para casa.

Reza a lenda que foi o próprio Busby, impressionado com o seu talento, quem lhe pediu para lá voltar, para demonstrar e concretizar o seu sonho: claro, George Best em Manchester Voltará. E escreverá páginas na história do clube. durante dois anos trabalha como entregador, treina duas vezes por semana e integra o time juvenil (como amador, já que os clubes ingleses não podem oferecer contratos a menores da Irlanda do Norte); então, em 14 de setembro de 1963, ele fez sua estreia no campeonato inglês contra o West Bromwich.

George Best no Manchester United Fonte: Getty Images

Flashes entre 1966 e 1967

O jogador de futebol cresce, a estrela nasce. Geórgia apresenta-se ao Olimpo do futebol mundial nos quartos-de-final da Copa dos Campeões, edição de 1966. O Benfica defronta o Manchester United, equipa vencedora das edições de 1961 e 1962 e finalista em 1963 e 1965. Em suma, os favoritos, até porque há uma lenda entre os lusitanos, Eusébio; no entanto, o Estádio da Luz se tornou o cenário do domínio inglês, onde Best marcou os dois primeiros gols e efetivamente lançou seu time para o 5–1 final. É uma noite crucial, o mundo percebe o norte-irlandês e este – ciente – vê sua mudança de status. Para o voltar de Lisboasorrindo para os fotógrafos que chegavam, desceu do avião de sombrero, óculos escuros e jaqueta de couro.

De Portugal os jornais lançam o mito de “o quinto beatle“, ao lado de outro fenômeno global do outro lado do Canal. Simões, antigo pavilhão do Benfica e de Portugal, comenta: “naquela noite, um furacão atravessou a Luz e chamou-se George Best”. UMA ferimento não o deixou terminar aquela temporada (que o United terminaria sem troféus, perdendo nas meias-finais da Taça dos Campeões Europeus), mas, em 1967, marcou 10 gols e venceu a Premier League. O prelúdio da história.

O ano perfeito: 1968

Que ano melhor para um revolucionário como ele? No 1968na verdade, Melhor escreve história. Os holofotes refletiram seu talento e Georgie conquistou o título de artilheiro do campeonato em casa, mas, acima de tudo, conquistou a Copa da Europa, a primeira para um clube inglês.

Depois de ultrapassou Gornik Zabrze nas quartas de final (no regresso resistiram perante 105.000 espectadores polacos) e, na meia-final, Real Madrid, Best – que tinha passado a véspera em boa companhia – e os seus colegas voltaram a encontrar o Benfica: longe de estar cansado, o Natural de Belfast marca e se dá a vitória do troféu como protagonista absoluto. Uma safra que merece Bola dourada. Por outro lado, como disse Matt Busby: “O campo para a equipe foi muito simples. Tudo o que eu disse foi: “Assim que possível, dê a bola para George Best”.

A queda do mito

“Se eu tivesse a escolha entre passar por quatro homens para marcar um gol de 30m contra o Liverpool ou dormir com o Miss Universo, teria sido uma escolha difícil. Felizmente, eu tinha os dois.” George Best foi um gênio, em campo e de certa forma até fora dele, mas aquela frase dele não poderia retratar a normalidade de toda uma carreira. Embora lentamente, Best começa a declínio no rendimento da temporada seguinte: de fato, o futebol está cada vez mais marginalizado pelos vícios e fraquezas de um homem nebuloso álcool e descuido.

Para aqueles que perguntaram se ele realmente tentou faça um ajuste, por exemplo, respondeu: “Em 1969, desisti das mulheres e do álcool: foram os piores 20 minutos da minha vida”. A partir da conquista da Bola de Ouro, algo realmente quebrou. O United não estava se divertindo e a despedida de Matt Busby em 1969 aguçou aquela sensação de confusão que pairava sobre o glorioso clube do outro lado do Canal.

Alguns anos depois, com apenas 28 primaveras em seu crédito, Best até se viu sem equipe. Começou uma viagem pelo mundo do futebol que o levaria à África do Sul, depois à MLS e finalmente à Austrália: a partir desse momento, o o futebol será apenas uma lembrança para ele. “Nunca fui à praia, para lá chegar tinha de passar à frente de um bar e parava sempre antes de chegar à água”, sublinhou o mesmo jogador a quem lhe perguntava sobre a casa de praia onde viveu nos Estados Unidos Estados. Estados.

Pós-carreira e morte

A tablóides britânicos preenchido, ao longo dos anos, páginas e páginas de fofocas para a conta deles. Mulheres, álcool, até prisão: no Best era possível encontrar de tudo e muito mais. Muitos acidentes para eclipsar, mesmo para alguém com esse talento. Best sabia: “Eu poderia ir para Alcoólicos Anônimos, mas acho que seria difícil para mim permanecer anônimo”, disse ele com isso. bela arrogância o que certamente não ajudou.

A casamentos fracassados e a dependência de álcool, que o levou a vender a Bola de Ouro conquistada anos antes, deixou Georgie um homem solitário, que agora se vê lutando desarmado com suas próprias fraquezas. Seus fãs históricos esperavam uma desintoxicação quando, entre o final dos anos 90 e o início dos anos 2000, o encontraram disfarçado de comentarista de televisão; no entanto, em 2002, ele foi submetido a um transplante de fígado para melhorar um estado de saúde desesperador.

Alguns anos depois, em 2005, final: antes de partir, Best pediu para publicar uma foto dele nos jornais com uma frase crua e desesperada: “Não morra como eu”. Ele morreu em 25 de novembro em Londres de uma infecção hepática. Em Belfast, por ocasião de sua funeral, eles compareceram milhares de fãs bem como personalidades como Alex Ferguson e Bobby Charlton.

George Best com meninas Fonte: Getty Images

O que sobrou: Frases de Best

Livros, músicas, documentários: muitos contaram – por meio de obras de todos os tipos – sua parábola. Nenhum, porém, se compara ao próprio Best: por isso, encerramos nossa jornada na vida do mais famoso dos 7 com alguns dos suas frases mais emblemáticas.

“Era 1976, Irlanda do Norte – a Holanda jogava. Eu jogava contra o Johan Cruyff, um dos maiores de todos os tempos. No 5º minuto eu pego a bola, pulo um homem, pulo outro, mas não estou mirando o gol, estou mirando no centro do campo: ponto Cruyff. Eu chego na frente dele, faço uma finta corporal, depois um túnel, depois tiro a bola, ele vira e eu digo a ele: ‘ Você é o mais forte de todos, mas só porque não tenho tempo'”

“Sempre quis ser o melhor em tudo: o mais forte em campo, aquele que mais bebia no bar »

“Se você tivesse nascido feio, nunca teria ouvido falar de Pelé”

“Eu perdi algo na minha vida, Miss Alemanha ou Miss Canadá por exemplo…”

“Gostei pelo menos 2000 mulheres sem ter que seduzi-los, eu só tinha que dizer ‘Oi, eu sou o melhor do Manchester United’”

“Gastei a maior parte do meu dinheiro com mulheres, bebida e carros. Desperdicei o resto”

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *