Glaciologista Wadhams: “Vou explicar por que o calor aumentará e este verão provavelmente será mais frio que o próximo”

Hoje são 14 cidades com emblema vermelho por conta do calor. Isso é para dizer Bolonha, Bolzano, Brescia, Florença, Génova, Latina, Perugia, Rieti e Roma (que estavam desde ontem) e Campobasso, Frosinone, Milão, Turim e Viterbo. Mas na próxima sexta-feira, 21 de julho de de acordo com o boletim de ondas de calor do Ministério da Saúde, o nível máximo de alerta virá. O que indica riscos para a saúde mesmo para a população saudável e será informado para 16 cidades. Trieste E Verona serão adicionados aos de hoje. Mas há mais. O glaciologista Pierre Wadhams, que ensina mudanças climáticas no Politecnico di Torino, diz que novos recordes serão quebrados a cada ano. E o calor não vai parar. “As ondas de calor serão cada vez mais frequentes. E recordes de temperatura continuarão a ser quebrados“, diz Wandhams em entrevista ao República.

Os dois efeitos

No qual ele explica que poderia até ser um verão mais frio do que o esperado. “Enquanto as forças motrizes do aquecimento global permanecerem inalteradas, por exemplo, o crescimento contínuo das emissões de carbono, o aumento das temperaturas vai continuar e as coisas vão piorarEle finge. O efeito do calor é atualmente a soma de dois efeitos“Existe um ‘rio de calor’ no qual o ar muito quente gerado no Saara é soprado para o norte pelo vento na Europa Ocidental, afetando Portugal, Espanha, França e Reino Unido. A Itália é parcialmente poupada. A segunda é uma anomalia na Corrente do Golfo. Um grande vórtice no Atlântico Oriental forma um sistema rotativo fechado que produz uma cúpula de ar quente sobre a Europa Ocidental“. Na entrevista com Lucas Fraioli o glaciologista também explica o que faria se fosse primeiro-ministro: “Faria todos os esforços para desenvolver e aplicar imediatamente métodos de eliminação de dióxido de carbono da atmosfera. Não basta reduzir as emissões. CO2 permanece na atmosfera por centenas de anos: mesmo que não o produzíssemos mais, o já presente continuaria a produzir o efeito estufa por séculos”.

Foto da capa por: GalileoFestival

Leia mais em Aberto

Leia também:

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.