Grávida morre em Portugal, deixa o ministro da Saúde – Chronicle

LISBOA – Mais uma morte, desta vez de uma jovem grávida, reacendeu a polémica sobre as disfunções do serviço de saúde português. E para rolar neste assunto, é uma cabeça importante: a ministra da Saúde, Marta Temido, apresentou esta manhã a sua demissão. Renúncia que o primeiro-ministro António Costa já aceitou.

No passado fim-de-semana, uma indiana, recém-chegada a Portugal e na 30ª semana de gravidez, foi a um dos principais hospitais de Lisboa com complicações respiratórias. Ela foi vendida e levada para outro hospital da capital quando sua condição piorou. Ela mal teve tempo de dar à luz seu filho prematuro, agora em terapia intensiva, antes de morrer.

Todo este verão português foi repleto de notícias de mulheres que, depois de encontrarem as emergências obstétricas encerradas por falta de pessoal, tiveram de percorrer até 100 km para serem recebidas num hospital. Os casos de 9 de junho e 28 de julho, nas cidades de Caldas da Rainha e Santarém, onde as mães perderam seus filhos justamente por causa desses atrasos, foram particularmente dramáticos.

O Ministério da Saúde tentou introduzir reformas para otimizar os serviços, aumentando também o pagamento de horas extras para médicos e enfermeiros, mas não conseguiu lidar com a escassez estrutural de profissionais de saúde. Escassez que resultou ontem em outra morte dramática.

Marta Temido, 48 anos, era ministra desde 2018 e em 2020 já era uma das caras mais conhecidas na luta contra a pandemia em Portugal.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *