Gravina (FIGC): “Apostas de giro, pedimos direitos autorais”

A crise económica provocada pela pandemia e os consequentes encerramentos pesam de forma preocupante no mundo do futebol e do desporto em geral.

Mas se os outros setores reiniciarem lentamente, para o mundo do futebol a situação parece cada vez mais preocupante. A falta de refrescos econômicos do governo e a limitação da capacidade do estádio também estão afetando a situação.

Foi o que emergiu do último Conselho Federal, durante o qual o Presidente da Federação Italiana de Futebol faz um balanço de seus diálogos com o governo. De fato, nos próximos dias está prevista uma mesa técnica com o subsecretário de esportes, Valentina Vezzali e o Ministro da Economia Danielle Franco e o Subsecretário das Presidências do Conselho de Ministros Roberto Garofoli.

Na tabela acima estão todos os pedidos de empresas amadoras, para as quais o governo decidiu alocar uma contribuição de mais de 300 mil euros.

“Não pedirei mais refrescos – Gravine disse -. Trabalhamos para dar igual dignidade ao mundo do futebol em comparação com outros setores da economia. Há um volume de negócios em torno das apostas que na Itália varia entre 13 e 15 bilhões de euros, pedimos a proteção de nossos direitos autorais “.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *