Hoje a Igreja celebra São João Paulo II

Normalmente, para ser oficialmente declarado santo, muita água tem que passar sob as pontes do Tibre, com o risco de que sua memória se dissolva no amálgama pegajoso do tempo. Algumas exceções. Uma delas dizia respeito ao Papa João Paulo II, que morreu em 2005. Com ele, a burocracia vaticana queimou tempo, aceitando alto e bom som o chamado das centenas de milhares de pessoas que acorreram a Roma para lhe dar o mais agradecido: “Imediatamente santo! “.

A memória do papa que veio do Oriente ainda está muito viva no coração e na memória de muitos. Os alguns anos mais velhos se lembram dele olhando para a sacada de São Pedro, o cardeal desconhecido de Cracóvia, dirigindo sua primeira saudação aos fiéis romanos com voz robusta, firme e em italiano um tanto azedo, depois de sua eleição. Pontífice. Foi com estas palavras que inaugurou seu pontificado em 22 de outubro de 1978: “Não tenha medo! Abra, de fato, abra bem as portas para Cristo! Ao seu poder salvador abrem-se as fronteiras dos Estados, dos sistemas econômicos e políticos, os vastos campos da cultura, da civilização, do desenvolvimento. Não tenha medo! Cristo sabe o que está dentro do homem. Só ele sabe! “.

Foi um pontificado muito longo, intenso e sobretudo missionário. Empreendeu muitas viagens para encontrar cristãos de todo o mundo onde vivem e para fortalecê-los na fé e apoiá-los com proximidade na caridade.

Aberto ao diálogo com todos, em particular com as outras religiões, cujos representantes quis encontrar em Assis em 1986, para rezar juntos pela paz no mundo.

Atento aos jovens, que retribuíam a sua atenção acompanhando-o e apoiando-o com o seu revigorante entusiasmo, sobretudo na última fase da sua vida, fragilizada pela idade e pela doença. Às vezes era decidido, como no Vale dos Templos de Agrigento, quando, dirigindo-se à máfia com inesperada dureza, invocava a ira de Deus sobre eles se não se convertessem. Ou quando apontou Augusto Cardenal, o gentil monge e poeta venezuelano, representante para ele da teologia da libertação, um homem que viveu sob o regime comunista, perigosamente mergulhado no marxismo revolucionário.

Autoritário e decisivo no cenário mundial, tanto que é reconhecido como um papel importante na queda do regime comunista na Polônia, sua terra natal, e depois no resto da galáxia soviética.

Karol Wojtyla nasceu em Wadowice, Polônia, em 18 de maio de 1920, o caçula de três filhos. Ele vive uma infância tranquila em um país que nunca é muito calmo. Quando chegou a hora, recebeu os sacramentos da iniciação cristã e se matriculou nas escolas até a Universidade Jaguelônica de Cracóvia em 1938. No ano seguinte, a Polônia foi ocupada pelas tropas do Terceiro Reich: fim da liberdade e de todas as atividades culturais. As universidades fecham e Wojtyla tem que deixar seus livros de lado e procurar um emprego, que encontra primeiro em uma pedreira e depois na fábrica de produtos químicos da Solvay. Ele ganha assim a vida e evita a deportação para a Alemanha.

Ele continua se escondendo para cultivar interesses culturais, como a paixão pelo teatro. Ele gostava de pisar no palco e em 1939 atuou na ópera de conto de fadas Il cavaliere al luce di luna, encenada por uma companhia experimental, o Teatro Rapsodico. Também se dedica ao estudo das línguas. Enquanto isso, outra vocação irrompeu em seu coração, a vocação sacerdotal, que ele perseguiu matriculando-se em estágios no seminário maior clandestino de Cracóvia em 1942.

A vocação teve origem em um acidente ocorrido com ele em fevereiro de 1944. Ele voltava do trabalho quando um caminhão alemão o atropelou. Ele saiu machucado do acidente: traumatismo craniano agudo e várias contusões, um ferimento no ombro curado em duas semanas no hospital. Ele vê no fato de ir embora um sinal do chamado do Senhor.

Ele viu a tragédia de seu povo. Em agosto de 1944, durante a Revolta de Varsóvia, escapou da deportação. Quando a Gestapo vasculha a cidade de Cracóvia, casa por casa, em busca de poloneses, Karol consegue se esconder na arquidiocese, onde permanece até o fim da guerra.

Na noite de 17 de janeiro de 1945, os alemães deixaram a cidade. Na Polônia e na Europa, finalmente livres do pesadelo nazista, a vida renasce. Até o seminário reabriu suas portas e Wojtyla retomou seus estudos inscrevendo-se na faculdade de teologia da Universidade Jaguelônica e em 1º de novembro de 1946 foi ordenado sacerdote.

Jovem sacerdote de excelente promessa, foi enviado a Roma para coroar com seu diploma um frutífero programa de estudos. Dois anos depois, em 1948, o padre Garrigou-Lagrange, diretor de tese, obteve seu doutorado em teologia ao defender uma tese sobre a doutrina da fé em São João da Cruz.

De volta ao seu país natal, alternou a atividade pastoral em algumas paróquias com a assistência espiritual a estudantes universitários. Em 1951, retomou seus estudos na Universidade Católica de Lublin, onde novamente se formou com uma tese sobre a possibilidade de fundar a ética cristã a partir do sistema ético do filósofo Max Scheler. Em seguida, dedicou-se ao ensino de teologia moral e ética no seminário de Cracóvia e na faculdade teológica de Lublin.

Ele tem todos os recursos para uma promissora carreira eclesiástica. O primeiro passo foi dado por Pio XII em 1958, nomeando-o bispo auxiliar de Cracóvia. Paulo VI continua, tornando-o arcebispo, em 1964, da mesma cidade e criando-o, três anos depois, cardeal. Nesse ínterim, participou do Concílio Vaticano II (1962-1965) dando uma importante contribuição para a elaboração das constituições Gaudium et spes e Dignitatis humanae.

Em Cracóvia, o bispo Wojtyla teve que enfrentar o duro regime comunista, mas não era do tipo que sofre seus abusos sem vacilar. Ele se opõe com orgulho e coragem, a ponto de desafiar os burocratas publicando em episódios do jornal diocesano livros afetados pela censura, como a Hipótese sobre Jesus de Vittorio Messori e a Carta a um nascituro de ‘Oriana Fallaci.

Após a morte de Paulo VI, em agosto de 1978, participou do conclave, que elegeu para sucedê-lo Albino Luciani, Patriarca de Veneza, que assumiu o nome de João Paulo I. Trinta e três dias depois, a Capela Sistina acolheu o cardeais para um novo conclave. Luciani morreu prematuramente, acometido por um ataque cardíaco no meio da noite.

16 de outubro de 1978 fumaça branca. Os cardeais elegeram o jovem (ele tem apenas 58 anos) arcebispo de Varsóvia, cardeal Karol Wojtyla. Sob o nome de João Paulo II, iniciou seu pontificado em 22 de outubro, destinado a ser um dos mais longos da história da Igreja: vinte e sete anos, tão cheios de surpresas como vê-lo esquiar nas montanhas nevadas de Terminillo, della Marmolada e Adamello.

Queridos irmãos e irmãs,

ainda estamos todos entristecidos pela morte do nosso amado Papa João Paulo I. E eis que os mais eminentes cardeais chamaram um novo bispo de Roma. Chamaram-no de um país distante… longe, mas sempre tão perto para a comunhão na fé e na tradição cristã. Tive medo de receber esta nomeação, mas o fiz em espírito de obediência a Nosso Senhor Jesus Cristo e com total confiança em sua Mãe, a Santíssima Virgem.

Não sei se consigo me explicar bem na sua… nossa língua italiana. Se eu estiver errado, por favor me corrija. Assim, apresento-me a todos vós, para confessar a nossa fé comum, a nossa esperança, a nossa confiança na Mãe de Cristo e da Igreja, e também para recomeçar este caminho da história e da Igreja, com a ajuda de Deus e com a ajuda dos homens.

Entre as primeiras etapas de seu ministério, a peregrinação ao túmulo dos dois padroeiros da Itália: foi a Assis para homenagear São Francisco, depois foi à basílica de Santa Maria sopra Minerva, em Roma, para venerar Catarina de Sena.

As viagens missionárias são um traço característico do pontificado de João Paulo II: ele faz 104 delas, durante as quais encontra milhões de fiéis em todo o mundo; 146 são visitas pastorais à Itália; como bispo de Roma; depois visitou 317 paróquias. Há também inúmeras audiências gerais às quartas-feiras e audiências especiais reservadas a personalidades do mundo político, cultural e científico.

Para os jovens, lançou as Jornadas Mundiais da Juventude em 1985. E está presente em dezenove delas em várias partes do mundo, com a participação de milhões de jovens entusiasmados e fascinados pela palavra de Deus que anuncia sem desconto.

Um episódio o marcou profundamente em seu corpo e em sua mente, cujo ataque foi vítima em 13 de maio de 1981 na praça Saint-Pierre. Ele foi espancado por um jovem assassino turco, Mehmet Ali Agca. Quem levantou a mão e nunca foi totalmente esclarecido: os serviços secretos dos países do bloco soviético, irritados com sua contribuição para a queda do comunismo? Pode ser.

O pontífice ferido passa por uma cirurgia difícil. Está salvo e atribui a salvação à intervenção de Nossa Senhora, que apareceu em Fátima, aliás, no dia 13 de maio. No ano seguinte, curado, foi a Portugal agradecer-lhe e mandou cravar o encaixe da bala na coroa que envolve a cabeça da Virgem.

A história tem uma continuação. Interrogando-se sobre o significado do que lhe aconteceu e sobre certas coincidências e conhecendo o conteúdo do último dos segredos confiados por Nossa Senhora aos pastorinhos de Fátima e ainda não revelados, vê-se na forma do bispo vestido de branco que foi baleado, descrito em segredo, e ele liga tudo ao que aconteceu com ele em 13 de maio.

Apesar da progressão inexorável da doença, viveu com intensidade e entusiasmo a preparação para o terceiro milénio e depois a celebração do jubileu do ano 2000, promovendo grandes celebrações e iniciativas, das quais se espera uma profunda renovação espiritual da Igreja. Ele então revive proclamando o ano mariano e o ano da Eucaristia.

A evangelização daqueles que ainda não experimentaram o fascínio do Evangelho de Cristo e a reevangelização daqueles que posteriormente escaparam desse fascínio são o fio condutor de seu pontificado e de suas intervenções: sínodos (14), cartas encíclicas e cartas exortações (15), livros (5), Catecismo da Igreja Católica…

Tudo isso, naturalmente, acompanhado de uma profunda fé pessoal, de uma filial devoção à Mãe do Senhor e de um grande amor ao próximo, especialmente aos mais fracos, às crianças, aos idosos e aos doentes, em cujas fileiras passam os última braçada da vida, oferecendo um exemplo muito humano e luminoso de resistência e coragem na busca de sentido na dor que acompanha a vida de todos.

João Paulo II morreu no Vaticano em 2 de abril de 2005. Mais de três milhões de peregrinos desfilam diante de seu caixão, exposto a Saint-Pierre. Bento XVI o proclamou abençoado em maio de 2011 e foi canonizado em 27 de abril de 2014 pelo Papa Francisco.

PRÁTICA Ó nosso amado Padre João Paulo II, ajuda-nos a amar a Igreja com a mesma alegria e com a mesma intensidade com que a amaste em vida.

ORAÇÃO Ó Santíssima Trindade, nós vos agradecemos por ter dado à Igreja o Beato João Paulo II e por ter feito resplandecer nele a ternura da vossa paternidade, a glória da Cruz de Cristo e o esplendor do Espírito de amor.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *