Igor Sechin, o líder dos siloviki

Sechin é uma das poucas pessoas que pode se gabar de ter conhecido Putin antes de se tornar Putin e, não menos importante, que pode se gabar de ter tido e ter um relacionamento saudável com ele, nunca contraditório e livre de divergências. Sem surpresa, Sechin foi definido pela imprensa russa como “vice de Putin” e “chefe dos siloviki”. Ninguém teria mais influência do que ele na chefia do Kremlin.

Os primeiros oito anos da era Putin significaram duas coisas para Sechin: entrar no Kremlin como vice-chefe da administração presidencial – de 1999 a 2008 – e construir um império econômico, que começou com a entrada em Rosneft em 2004 e finalizado em 2012 com a posse da presidência do mesmo.

Apesar das divergências com Dmitry Medvedev, do qual foi “rebaixado” a vice-primeiro-ministro em 2008, Sechin conseguiu permanecer firmemente entrincheirado no círculo de poder de Putin. E ele conseguiu graças às excelentes relações que manteve com Putin, às relações forjadas com o FSB, cuja entrada no setor de metano-petróleo ele permitiu e facilitou, e a agenda externa realizada paralelamente durante o parágrafo Medvedev.



Privado do cargo e do poder por Medvedev, mas determinado a manter e expandir o império construído com o apoio de Putin, diz-se que Sechin passou o período Medvediano perseguindo uma agenda externa útil tanto para seu próprio bolso quanto para o interesse nacional mundial. Em 2008, os acordos de armas e energia com o Venezuela chavista. Em 2009, um acordo de exploração submarina com Cuba.

A pressão do novo presidente, no entanto, teria finalmente desejado o melhor. Em 2011, com base em uma lei assinada por Medvedev, Sechin foi forçado a se demitir da Rosneft. Um ano depois, no entanto, Putin – que acabara de ser reeleito – o reintegrou na gigante do petróleo e o nomeou secretário executivo da Comissão Federal de Combustíveis, Energia e Segurança Ambiental.

O retorno de Putin à cena equivale à retransformação de Sechin ao poder atrás do trono, tanto que em 2014 ele seria descrito pela CNBC como “a segunda pessoa mais poderosa da Rússia”. Uma crença também compartilhada pelo governo Obama na época, que naquele ano introduziria o silovik na lista de indivíduos sancionados pela guerra no leste da Ucrânia, congelando os bens detidos no Estados Unidos e privá-la do direito de fazer negócios com empresas e indivíduos americanos.


Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *