Incêndio na empresa Guglielmo, o reinício após o grande susto



Os momentos que se seguiram ao incêndio que eclodiu na quinta-feira, 28 de julho, o fizeram retroceder dez anos, precisamente em 2012, quando houve o primeiro “perigo escapado”. No entanto, Matteo Tubertinigerente geral de ‘Termas de Guglielmo’, Não desisti. De fato, graças ao apoio de pessoas comuns, instituições e políticas, ele partiu, consciente de que outra Calábria é possível.

Entrevistado por Calábria 7, Tubertini falou de “momentos especiais” que permitem “reviver muitas sensações pelo contrário”. Entre eles, o fato de “ver as muitas pessoas que, voltando de uma estância turística, em vez de desfrutar de uma noite de julho, se encontram diante de imagens que lembram a guerra na Ucrânia. Esses atos – continuou Tubertini – levam a uma involução da nossa terra e a empobrecem ainda mais”.

O apoio de outros empresários e, em geral, da cidade também tem sido concreto. “Fiquei emocionado com a proximidade das muitas famílias que amam nosso produto. Muitos certificados de estima das instituições, bem como a clara e forte proximidade com o Estado, que nos pôs imediatamente em segurança”.

O apoio de muitos colegas do setor não tem faltado, mas o “real problema – revelou Tubertini – é a lacuna cultural sobre a qual temos que trabalhar muito”, porque como diz Gratteri “temos que começar pela escola e pela cultura” .

Segundo o CEO da empresa, “este é o momento de levantar, de pensar no futuro e em coisas positivas. A Gugliemo é agora uma empresa internacional com escritórios na Coreia, Portugal, EUA, Canadá e Austrália. Esperamos não ter que nos recuperar desses tempos tristes e difíceis”.

© Todos os direitos reservados.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.