Incêndios, Itália é o país europeu com mais incêndios em 2021: 160 mil hectares queimados. “Esperamos dados piores este ano”

Na Itália em 2021 eles pegaram fogo 160 mil hectares de superfíciequeimado em 1.422 incêndios ocorreram no ano passado. O número é muito alto e “dá” à Itália a Medalha de Ouro Europeia por número de incêndios registrado e segundo no mundo. Isso foi revelado em um dossiê da Universidade Católica de Roma intitulado “Mudanças climáticas na Itália. O cenário italiano à luz do documento Mudanças climáticas é uma crise de saúde”, criado em colaboração com o Instituto Italiano de Saúde Planetária (IIPH). “Este é o maior número registrado na última década, mas esperamos dados piores para este ano também”, disse a pesquisadora Chiara Cadeddu.

Quinze dos 1.422 incêndios registrados no ano passado se estenderam a mais de 1.000 hectares. O mais importante, explica o estudo, envolveu a Sardenha, estendendo-se por mais de 13 mil hectares de superfície. O estudo, apresentado hoje, também destaca recentes problema de seca extrema que, apontam os pesquisadores, “lança as bases para a desertificação” que hoje afeta 25% da população mundial, incluindo os habitantes de certas regiões do sul da Itália, como Sicília, Puglia e Calábria.

As mudanças climáticas e os eventos climáticos extremos resultantes, de acordo com o relatório, podem causar migrações e a redução das desigualdades socioeconómicas pode ajudar a mitigar os riscos para a saúde das pessoas mais expostas às alterações climáticas. Mas a primeira maneira de mitigá-los é focar em fontes de energia renováveis. “Como algumas regiões fazem de forma exemplar, como Valle d’Aosta, cuja participação percentual das energias renováveis ​​no consumo bruto de energia ultrapassa os 90%, enquanto a Basilicata está em terceiro lugar com 49,5%. Ambos os valores – sublinha o dossiê – estão acima da média nacional (17,1%)”.

UMA outro relatório do WWF, também publicado em 22 de julho, “Apague hoje os incêndios de amanhã. Da gestão de emergências à gestão e prevenção de riscos “ele aponta que em 2021” mais de 600.000 hectares viraram fumaça nos seis países euromediterrânicos da Itália, Espanha, Portugal, França, Grécia e Turquia; uma área bem acima da média das décadas anteriores, como já havia acontecido em 2017 e 2020”. E a tendência também se confirma para 2022.

De acordo com o relatório da associação ambiental “mais de 97% dos incêndios na Europa são atribuíveis à atividade humana, a maioria deles culpados. Negligência, imprudência, inexperiência e imprudência fazem com que o fogo seja iniciado sem a vontade de causar danos, por exemplo, como resultado de má gestão de práticas agrícolas ou florestais, como queima de restolho e poda, queima de resíduos ou atividades recreativas, como churrasco e fogos de artifício “. Para o WWF “o combate aos incêndios florestais com base no combate activo do evento já não é adequado para atacar eficazmente este fenómeno, propondo-se por outro lado uma prevenção de risco mais adaptada”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.