Jornalista Paolo Mieli no Teatro dei Marsi: entrevistado por alunos do Vitruvio

Avezzano. “As feridas de um corpo humano podem cicatrizar, mas, se forem negligenciadas, estarão fadadas a reabrir”, estas são as palavras do jornalista e historiador Paolo Mieli ontem, 20 de janeiro, em frente ao Teatro dei Marsi, repleto de jovens estudantes ávidos por refletir sobre os erros da história que se confundem com os acontecimentos atuais, justamente para não repeti-los.

O livro “Feridas ainda abertas” do ex-diretor do Corriere della Sera foi uma oportunidade para os alunos de La Marsica explorarem questões infelizmente muito comuns.desconhecidos, como o conflito na Ucrânia e acontecimentos menos divulgados nos últimos anos, como os numerosos assassinatos, inclusive o da Indonésia. As perguntas feitas a Mieli pelo prof. Fabrizio Marinelli, na forma de uma conversa pública composta e dos alunos, incluindo Diana, permitiu que Mieli levasse o público a lembrar que tudo o que produz dor deve ser revisitado; a tarefa do historiador, como a do jornalista, é desenterrar questões já abordadas e analisar tanto as razões dos perdedores quanto as dos vencedores.

Nesta importante ocasião, promovida pelo Município de Vouszano, ao final da conversa pública, diversos alunos do jornal escolar “Yawp” do Liceo Scientifico “M. Vitruvius”, aproveitou para conhecer diretamente a Mieli. A entrevista começa com acolhida e naturalidade falando sobre as modelos que o inspiraram quando estava no início de sua carreira como jornalista: “Meu olhar, nos anos 1970, foi para o exterior, sobretudo para o mundo anglo-saxão, para exemplo para Walter Conkrite” e sublinhou que “ver e seguir um jornalista de outro país pode dar ideias adicionais, que se juntam às das grandes penas nacionais”.

Com efeito, lembrou que os jovens devem dar importância às línguas estrangeiras, especialmente ao inglês, que é hoje um código essencial para aceder a qualquer contexto. O discurso passou então para o seu verdadeiro estilo, muitas vezes tingido de ironia, que também é actual no quotidiano: Mieli, de facto, retomando a conversa pública que tivera há pouco, na qual foi sublinhado como a agressividade e o excesso de voz tons de muita política não são frutíferos e úteis para a sociedade, ele disse: ‘pessoalmente, quando eu falo com alguém e estou prestes a m’ aquecer, eu imediatamente peço ajuda ironia para diluir e se eu tiver que falar doente de um personagem, sempre encontro primeiro o lado positivo para depois ir ao meu objetivo: é um artifício de retórica”, e concluindo com seu sorriso sutil e cativante diz: “Não me sinto o representante do bem contra o mal, mas acredito que meu inimigo poderia se tornar meu amigo se eu conseguisse fazê-lo mudar de idéia”. Foi emocionante tê-lo a centímetros de nós, com seu carisma e graça. A ocasião foi uma experiência de formação, com um dos maiores representantes do jornalismo italiano, para melhor compreender esta complexa profissão.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *