Lisboa, capital da Aliança para as Migrações (23/01/2023)

A segunda edição da “Migration Alliance” realiza-se este ano em Lisboa, a primeira decorreu em Paris em 2019. É um encontro organizado pelas redes francesas Organização para a Cidadania Universal (OCU) E Associação Nacional de Cidades e Territórios Acolhedores – ANVITA, que reúne prefeitos, prefeitas, administradores, gestores, políticos e sociedade civil para apoiar as políticas de acolhimento de áreas migratórias de direitos humanos fundamentais. Pela Itália, convidou o Rede Nacional de Cidades Acolhedoras.

Em 2019, a recém-formada Aliança deu origem a um Documento baseado em dois princípios e oito proposições: para construir políticas de acolhimento, são necessários espaços de consulta e cooperação entre todos os atores do território (migrantes, associações, gestores, eleitos, pesquisadores) e para mudar a forma como olhamos para a migração, devemos dar um lugar aos migrantes em o desenvolvimento de políticas públicas. Para isso, a Aliança identificou oito ações: incentivar e promover iniciativas em prol da cidadania de “residência” (cidadania local de residência e cidadania universal); dar visibilidade a práticas alternativas de acolhimento e refletir sobre sua sustentabilidade; tornar visíveis e comuns denúncias de violações de direitos humanos ou criminalização de atores solidários; organizar debates cidadãos para construir e compartilhar uma narrativa alternativa de migração; apoiar a rejeição da “externalização das fronteiras”; não se tornem cúmplices dessa exteriorização; trazer para a Aliança o pedido de redistribuição de poderes e consequentemente de mediação entre o Estado e as autarquias locais; contribuir para a criação de um GIEM (Grupo Internacional de Peritos em Migração); propor um calendário de encontros com as redes existentes para pensar a migração para além da “emergência”.

Posteriormente, a pandemia impediu novas reuniões presenciais e, ao longo desses três anos, o trabalho foi feito online e em reuniões limitadas para alguns membros da Alliance. Abre de 25 a 27 de janeiro, em Lisboa, uma nova reunião da Aliança para as Migrações. Estão previstas mesas redondas e oficinas para discutir um modelo de hospitalidade baseado na três eixos transversais: acesso universal a direitos, participação social e política e promoção de um discurso positivo sobre migrantes e interculturalidades

“Queremos um programa de trabalho que nos permita passar da teoria à prática, que haja realmente uma troca de conhecimento entre todos os envolvidos e assim por diante, que possamos realmente promover políticas que defendam os direitos dos migrantes. Queremos grandes mudanças na abordagem da migração e torná-la positiva para a sociedade civil”, afirmou. Ilhas Paulo, organizador da Aliança Migração, filósofo e ativista, com um longo percurso de migrações internacionais na Europa e na América Latina, que acrescenta “Portugal, no contexto da União Europeia, é um dos países que tem uma das mais avançadas países e políticas estruturadas. tem o comissário máximo da Migração, tem todo um programa que se concretiza através do Plano Nacional de Integração dos Imigrantes, implementado pelas autarquias, câmaras municipais e sociedade civil”.

Com efeito, Portugal foi escolhido para acolher o encontro devido ao seu posicionamento sobre a questão migratória. foi o primeiro país a adotar um plano nacional de implementação do Pacto Global para Migração, bem como um plano de integração para migrantes. E Lisboa é uma cidade que reafirma a sua interculturalidade e concretiza este compromisso através da constituição de um Plano Comunitário para a Integração dos Migrantes.

Entre os participantes desta reunião também Damien QuaresmaMembro do Parlamento Europeu e co-presidente da ANVITA; Jeanne Barsegianco-presidente da ANVITA; Carol Dartoraa primeira deputada federal negra do Paraná, Brasil; Maria Dantaso único brasileiro da história eleito para o Congresso da Espanha, que defende os direitos dos imigrantes.

A Alleanza Migrazione acredita que é urgente inverter a perspectiva: devemos investir mais no acolhimento, nos processos de integração e garantir percursos migratórios seguros e protegidos por direitos, sem violações por parte dos migrantes ao longo do percurso.
“A migração está presente na história da humanidade. Vivemos em ciclos e fluxos em mudança. Acho que o principal resultado é o reconhecimento de direitos, não só com palavras, mas com estruturas de recepção. Portugal tem feito muitos progressos neste sentido e dá-nos uma lição, que é possível avançar nas estruturas e também avançar na luta contra o racismo e no controlo dos crimes ligados à migração, garantindo o direito de vinda das pessoas e pronto”, conclui Paulo Illes.

No dia 27 de janeiro, às 15h, após o encontro, serão entregues os Passaportes Universais de Cidadania.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *