Lozano, convoca Spallettie Mario Rui assume Portugal

São dias de tensão, de preocupação. A vontade dos clubes é dizer aos vários treinadores espalhados pelo mundo que usem seus jogadores com um copo medidor. Se não fosse por De Laurentiis, você sabe, a Liga das Nações e os amistosos nesta época da temporada teriam sido cancelados anos atrás. Spalletti não está acostumado a chamar treinadores de seleções e nunca pediu a sua equipe que se poupasse pensando em retornar ao campeonato. Mas as seleções preparam-se para devolver dois corações cheios de alegria: Mario Rui e Lozano. No entanto, é claro que há um alarme e diz respeito a el Chucky, dado o nocaute de Politano, agora é tão básico quanto o pão, mas o México – que venceu com o Peru graças a um de seus gols – deve repetir um amistoso insano contra a Colômbia na madrugada de 28 de setembro. Obviamente, Lozano não acha que tem que voltar primeiro e também não quer ir para o banco. Arriba México, pelo amor de Deus. Ninguém lhe dirá o contrário. Além disso, ir bem com suas seleções também ajuda a se sair melhor com o Napoli.

Lozano é uma espécie de imperador asteca em sua terra natal: ele jogará em Santa Clara, mesmo que isso signifique não retornar a Nápoles até sexta-feira, poucas horas antes da partida contra o Torino. Claramente, isso forçará Spalletti a ter que encontrar uma solução alternativa na ala direita do tridente. Esta pode ser uma oportunidade para tentar Raspadori na direita, pois parece muito complicado arriscar o mexicano que estará em pedaços mesmo a longo prazo. Mas El Chucky não vai desistir. É improvável que ele vá para o banco. Ele revelou que estava muito perto de deixar seu México, devido à lesão no olho que tratou enquanto jogava por sua seleção: “Pensei nisso por muito tempo, queria sair, não pensar do que em Nápoles. A lesão no olho foi a mais complicada, também me fez pensar muito e muito porque estive longe por muito tempo. Mas, no final, meu desejo de estar lá e minha família me convenceram a continuar”.

Ele é chamado de ‘o professor’ no Napoli e quem sabe por que alguns pensaram que com a chegada de Olivera as hierarquias seriam viradas de cabeça para baixo. Sem chance. E Mario Rui não está na pele de ter encontrado a camisola lusitana a pouco mais de um mês do início do Mundial. Ele tinha certeza de que merecia outra chance por um ano. Jogou com a República Checa e a impressão é que o treinador Fernandes não o poupará nem no derby ibérico com a Espanha. “Se somos titulares em Nápoles, em primeiro lugar na Serie A, como não o chamar na seleção?”. Rui não podia esperar, o Qatar estava à sua espera. E amanhã o jogo contra a Espanha. Ele diz: “Eu quero jogar, você tem que entrar em campo para ganhar. A mentalidade continua a mesma. Estou feliz com o bom desempenho, mas também não penso no nível individual no Nápoles. Raciocínio da equipe. Estou feliz por ter ajudado a seleção, para mim é sempre um prazer e um orgulho. Representar a nação é para mim a realização de um sonho. Estou feliz por estar de volta”, as palavras de Mario Rui.

A prova de que, mesmo que sábado haja Turim depois Ajax e um grande tour de force, ninguém desiste das seleções. Nem mesmo sob tortura. De qualquer forma, há dias de preocupação: o Napoli só ficará tranquilo quando todos voltarem: as seleções de todo o mundo, de qualquer forma, retornarão jogadores cansados ​​e um pouco machucados. Mas cheio de auto-estima. Porque para Lozano e Mario Rui e para todos, a seleção é algo que certamente não pode ser abandonado. Além disso, pensando na próxima Copa do Mundo, que vai jogar México e Portugal. Primeiro, o muro de outubro com Nápoles: por outro lado, se são donos de suas seleções, é justamente pelo que fazem na Itália.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *