Mário Soares, o homem que traçou o caminho democrático de Portugal

Foi o político mais popular de Portugal. Mario Soares foi um símbolo para os políticos lusitanos de esquerda e direita. O ex-presidente deixou a sua marca na história política de Portugal, da qual é protagonista há mais de quarenta anos.

Exilado para a França após três anos de prisão sob a ditadura de Salazar, o líder socialista retornou ao seu país após a Revolução dos Cravos. Estamos em abril de 1974. E ele se torna uma figura chave na transição democrática e na integração europeia.

Soares participou do primeiro governo provisório e foi membro da Assembleia Constituinte. Recebeu o cargo de primeiro-ministro após as primeiras eleições democráticas em 1974 e pôs fim ao colonialismo “esfarrapado” de Lisboa.

Nascido em 7 de dezembro de 1924 em uma família burguesa, formou-se em história e filosofia em 1951 e em direito em 1957. Casado com Maria Barroso, foi três vezes primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores. Em 1986, tornou-se presidente. No mesmo ano, Portugal aderiu à Comunidade Económica Europeia.

É o apuramento final do país e Soares é mais uma vez o arquitecto. Tornou-se presidente pela segunda vez até 1996 e depois, até 2004, membro do Parlamento Europeu que Lisboa teve de vigiar pela janela durante anos.

Mas já nos anos 90, o seu prestígio ultrapassou as fronteiras de Portugal e o mundo reconheceu-lhe um lugar na história: de Nelson Mandela na África do Sul ao prémio europeu Robert Schuman. Graças a ele, Portugal está firmemente ancorado nos princípios da democracia.

Em 2006, aos 81 anos, após deixar a política, voltou a concorrer às eleições presidenciais. Mas desta vez, os portugueses estão a dar-lhe as costas. Seu amor pela política o levou a desempenhar um papel de especialista.

Em 2011, denunciou, nos microfones da euronews, “os monstros do nosso tempo”: “É a dominação da economia, a dominação das empresas sobre as nações – disse – É uma tragédia para todo país ou união de países . Acredito que a União Europeia atravessa a maior crise da sua história. Estamos todos conscientes de que, se continuarmos neste caminho, a Europa não terá mais futuro neste mundo”.

Defensor da democracia até ao fim, uma das suas últimas saídas públicas é aquela em frente à Câmara Municipal de Lisboa durante um minuto de silêncio em solidariedade com as vítimas do atentado ao Charlie Hebdo a 15 de janeiro de 2015.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *