Medvedev, operação de recuperação em Metz: elogia Federer e desafia Wawrinka

“Quando não estou jogando bem, tento pensar nos bons momentos que tive e pude reviver. E quando as coisas estão indo bem, tento não ficar com raiva.” Daniil Medvedev, ex-número 1 do mundo, tenta manter o equilíbrio e não entrar em colapso mesmo durante um 2022 com alguns momentos contundentes em que venceu apenas um torneio e não conseguiu confirmar o título no US Open, perdendo assim o topo do Ranking ATP .

“Quando me tornei o número 1 – ele disse a um grupo de jornalistas franceses em um evento para promover sua nova raquete, a technifibre T-Fight RS 30.5 – senti sensações semelhantes às que sempre sonhei em alcançar esse marco e agora ninguém pode tirar. Perder o primeiro lugar, por outro lado, não teve grande efeito. Não marquei pontos suficientes na temporada americana”.

Segundo informações do jornal francês Le Figaro que reconstroem suas respostas, Medvedev também mencionou sua relação com o técnico Gilles Cervara, que começou em 2017. “Nós crescemos, não estamos escondendo nada. Depois de uma série de torneios, trocamos opiniões e mudamos de planos em relação aos meus sentimentos. Nós nos concentramos em trabalhar em áreas específicas do jogo. Recentemente, trabalhamos no saque”, explicou Medvedev, que admitiu ter assistido muito pouco ao US Open após sua eliminação.

Não pode faltar uma homenagem a Roger Federer, que se despedirá do tênis na Laver Cup, da qual é co-organizador, disputando uma dobradinha na sexta-feira, presumivelmente ao lado de Rafa Nadal. “Roger fará falta – disse -. Pelo que pude entender, ele é uma pessoa muito generosa e respeitosa. No vestiário ele é exatamente como você o vê na televisão, também é por isso que ele é uma lenda” , ele explicou.

Esta semana, Medvedev, quinto no Pepperstone Pepperstone ATP Live Race To Turin e voltando ao Nitto ATP Finals em Turim após a final perdida no ano passado, está no Metz ATP 250. Ele fará sua estreia direta na segunda rodada do torneio francês transmitido ao vivo no SuperTennis e SuperTenniX, contra o ex-número 3 do mundo Stan Wawrinka, que passou dos playoffs e venceu o português João Sousa na primeira rodada. “Faz mais de dois anos que venci três jogos consecutivos no mesmo torneio, é uma grande sensação – disse -. Estou ganhando confiança, me sinto mais relaxado e me movimento ainda melhor em campo”.

Até agora, Wawrinka e Medvedev se encontraram quatro vezes. As três primeiras partidas foram vencidas pelo russo, no gramado de Metz como no resto dos torneios ATP sem bandeiras ou referências ao seu país. Na última, no Australian Open 2020, os suíços venceram.

“Jogar contra Medvedev é o maior desafio – explicou -. Ele está perto do topo do ranking, é um adversário difícil de enfrentar. Vai ser difícil, mas estou feliz por me testar contra ele”.

Dominic Thiem também está avançando. Em um desafio nostálgico entre o ex-Top 10, o austríaco venceu Richard Gasquet 63 76 (3) e assim assinou o quinto sucesso nos últimos seis jogos disputados em todos os níveis. “Enfrentar Richard é sempre um bom desafio”, disse Thiem, que caiu para 182º no ranking da ATP ao se classificar para a final do Challenger em Rennes na semana passada.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.