Migrantes, rumo a uma nova cimeira europeia: deslocalizações esperadas

Chama-se “Mecanismo de Solidariedade Voluntária” e prevê a redistribuição anual de migrantes de cerca de 10.000 migrantes identificados principalmente entre pessoas resgatadas no mar na sequência de operações SAR no Mediterrâneo central e ao longo da rota do Atlântico Ocidental. Segue-se à declaração política adotada em 10 de junho de 2022 em Luxemburgo pelo Conselho Europeu de Assuntos Internos, sob a presidência rotativa francesa. A Declaração foi partilhada por 19 Estados Membros e 4 associados à União Europeia que por isso participam no Mecanismo.

Fontes da UE: uma cimeira ad hoc sobre migrantes em preparação

Enquanto isso, em meio ao confronto entre Itália e França, a Comissão Europeia convoca uma reunião extraordinária de ministros do Interior para discutir os migrantes. É o que afirma a vice-presidente Margaritis Schinas em entrevista ao Politico.eu, na qual explica que “está a ser elaborado em Bruxelas um plano de emergência para resolver as crescentes tensões entre os países da UE sobre como lidar com os requerentes de asilo resgatados em mar”. A reunião extraordinária de ministros do Interior deverá ser convocada pela República Tcheca, que atualmente ocupa a presidência rotativa do Conselho, lembra o Politico, e deverá ser realizada antes do Conselho de Assuntos Internos agendado para a primeira semana de dezembro.

Para a Itália 3.500 recolocações

Os países signatários da declaração de junho são Bélgica, Bulgária, Chipre, República Tcheca, Alemanha, Grécia, Espanha, Finlândia, França, Croácia, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Portugal, Romênia, Dinamarca, Islândia , Noruega. , Suíça e Liechtenstein. No entanto, os compromissos efetivos de participação na realocação foram assumidos até o momento por 13 países, para um total de 8.289 cotas: Alemanha, França, Portugal, Irlanda, Romênia, Noruega, Bulgária, Finlândia, Bélgica, Croácia, Luxemburgo, Lituânia e Islândia. A Itália é o primeiro beneficiário das transferências, com 3.500 realocações de refugiados previstas até o verão de 2023, com base nas chegadas registradas em nosso país. A Holanda e o Luxemburgo já deram a conhecer que não pretendem suspender a sua participação no mecanismo de solidariedade para a redistribuição dos migrantes.

Meloni pede soluções europeias para o desembarque de migrantes

38 requerentes de asilo acolhidos em França

A França foi o primeiro país a participar do Mecanismo, acolhendo 38 requerentes de asilo que chegaram à Itália em 25 de agosto. A operação foi precedida de pré-identificação, foto-sinalização e controlos de saúde por parte das autoridades italianas e a análise de processos individuais e entrevistas por parte da delegação francesa chegaram especialmente aos centros de acolhimento italianos. A França é o país que participa mais “generosamente” do sistema, tendo manifestado a vontade de acolher 3.500 requerentes de asilo do total de 10.000 previstos no acordo. Mas agora, Paris, depois do caso de oceano viking, decidiu suspender a recepção. Uma nova delegação francesa logo se encarregaria de 50 migrantes adicionais.

Na Alemanha 74 refugiados

Em outubro, a Alemanha (prevista para receber um total de 3.000 pessoas) recebeu 74 refugiados que chegaram à Itália. Outras 5 foram aceites pelo Luxemburgo e o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros luxemburguês declarou: “Não pretendemos suspender a nossa participação” no Mecanismo de Solidariedade para a redistribuição de migrantes e “vamos continuar a ser solidários”. A Holanda também confirma a sua participação no pacto a que aderiu em junho (mas sem propor a realocação dos migrantes, preferindo optar pelo desembolso de empréstimos, conforme previsto nos artigos do pacto).

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *