Milan no RedBird, futebol cada vez mais envolvido em finanças

(Adnkronos) – A transferência da propriedade do AC Milan do fundo Elliott para o RedBird Capital Partners, por Gerry Cardinale, é o último ato, ainda não finalizado, de uma sequência de operações que vê o futebol italiano cada vez mais entrelaçado com as finanças. O interesse das grandes capitais, discutido e discutível segundo os cânones tradicionais do futebol romântico, é certamente um fator positivo se interpretado em chave econômica. Isso significa que os clubes italianos, apesar da crise desencadeada pela pandemia e das inegáveis ​​dificuldades na gestão do sistema futebolístico como um todo, continuam atraentes.

Quando falamos de grandes fundos, mesmo quando deixamos o futebol, quase sempre falamos de fundos internacionais que não têm sede na Itália. Sem surpresa, outro fator que se destaca, olhando apenas para as empresas que participaram da Série A 2021/2022, é que o número de equipes controladas por grupos estrangeiros está consolidado. São 9 em 20, quase metade, e representam todas as bandas de nível: do campeão italiano Milan ao segundo Inter, a Roma, Fiorentina e Atalanta, até Bolonha e Spezia e até o rebaixado Gênova e Veneza.

Cada história é diferente da outra, mas fala de caminhos que visam recuperar a rentabilidade e a sustentabilidade econômica, em muitos casos com a perspectiva de vincular o destino das empresas a projetos mais estruturantes, com estádios na posse. Uma rápida pesquisa nos permite fotografar o quanto a geografia do futebol italiano mudou nos últimos anos.

Milão. A notícia é fresca por algumas horas. O clube rossonero muda de mãos, embora a propriedade permaneça americana e o fundo Elliott continue sendo uma minoria. A RedBird é uma empresa que já atua no mundo do desporto mas com uma pegada financeira clara. Foi fundada em 2014 por Gerry Cardinale, um gestor com longa experiência na Goldman Sachs, no coração das finanças americanas.

Inter. O atual proprietário chinês, o Suning Group de Steven Zhang, adquiriu 68,55% das ações da empresa Nerazzurri em junho de 2016. Os 31,05% restantes em janeiro de 2019 foram adquiridos pela LionRock Capital.

Roma. No auge da pandemia, em agosto de 2020, a propriedade passou do disputado James Pallotta para o também americano Dan Friedkin, CEO da Gulf States Toyota Distributors.

Fiorentina. Estamos em 6 de junho de 2019 quando a família Della Valle vende a empresa para a ítalo-americana Rocco Commisso, número um da Mediacom Communications Corporation.

Atalanta. Em 2021, a família Percassi vendeu 55% das ações da La Dea Srl, sub-holding que detém cerca de 86% do capital social da Atalanta, a um grupo de investidores liderado por Stephen Pagliuca, sócio-gerente e coproprietário da o Boston Celtics, bem como co-presidente da Bain Capital, um dos principais fundos de investimento do mundo.

Bolonha. Em 2014, um grupo de investidores norte-americanos, representado pelo empresário canadense Joey Saputo e pelo advogado nova-iorquino Joe Tacopina, assumiu a propriedade. Posteriormente, a Tacopina decola e a empresa permanece em Saputo.

Apimentar. Robert Platek, empresário americano, adquiriu 100% das ações da empresa da Orlean Invest, de Gabriele Volpi. Ele é dono de dois outros clubes: Sonderjyske na Dinamarca e Casa Pia em Portugal.

Génova. Em setembro de 2021, o histórico presidente Enrico Preziosi vendeu ao fundo de investimento americano 777 Partners, que assumiu todo o pacote de ações.

Veneza. Em fevereiro de 2020, foi a aquisição de 100% das ações pela VFC Newco 2020 LLC, grupo de investidores americanos que elegeram Duncan Niederauer para a presidência.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.