Moçambique: freira comboniana Maria De Coppi morta

A freira trabalhava no país há 59 anos e tinha nacionalidade moçambicana. Dois missionários da diocese de Pordenone salvos. O norte do país está sob pressão de grupos armados desde 2017

07 de setembro de 2022

Artigo de Luca Bussotti

Tempo de leitura 2 minutos

Maria De Coppi, missionária comboniana, foi morta num ataque de grupos terroristas no norte de Moçambique. A freira de 83 anos, natural de Vittorio Veneto (Treviso), estava há 59 anos no país da África Austral, adquiriu a nacionalidade moçambicana e serviu em várias missões na província de Nampula.

Fazia alguns dias que grupos de terroristas foram avistados na zona norte da província de Nampula, onde lançaram um primeiro ataque no dia 2 de setembro, como denunciou em várias ocasiões. Nigéria.

A de ontem à noite foi ainda mais violenta e decisiva: em Chipene, distrito de Memba, uma escola primária e várias casas, uma igreja católica e alguns habitantes foram mortos, incluindo o missionário italiano e um “soberano”, um chefe tradicional.

Dois outros monges italianos, Don Loris Vignandel e Don Lorenzo Barro, missionários da diocese de Pordenone, teriam conseguido escapar. Os outros religiosos fogem para Nacala, segunda cidade da província de Nampula.

Assassinatos não aleatórios

Este não é o primeiro ataque a igrejas católicas em Moçambique por grupos extremistas (alguns dos vossos jihadistas) que aterrorizam o norte do país desde 2017. Em abril e depois em outubro de 2020, a missão de Nangololo (distrito de Muidumbe, província de Cabo Delgado) foi completamente destruída. Foi a segunda missão mais antiga da Diocese de Pemba.

Os sinais de uma escalada de ataques na província de Nampula foram assim confirmados. Os testemunhos das populações locais falam de uma fuga massiva dos centros habitados, uma fuga complicada por dificuldades de comunicação, dado que a rede telefónica foi danificada.

Note-se que as vítimas do atentado, a freira (tiro na cabeça) e o chefe tradicional, pertencem a dois “poderes” que os terroristas consideram inimigos e em conluio com as autoridades governamentais: a Igreja Católica e a os chefes tradicionais (este último poder está integrado no sistema institucional moçambicano há alguns anos).

Recorde-se ainda que a 7 de Setembro em Moçambique celebram-se os Acordos de Lusaka, assinados com Portugal em 1974, e que deram origem ao processo de descolonização que culminará a 25 de Junho de 1975 com a independência política do país. Uma independência hoje ameaçada por fracturas sociais, políticas, económicas e étnicas, das quais o terrorismo no norte do país é provavelmente uma das consequências.

Data de eco de direitos autorais (“Y”); ?> © Nigrizia – Para reprodução total ou parcial deste artigo, entre em contato com a equipe editorial com antecedência: redazione@nigrizia.it

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.