Mourinho e Portugal continuam a pressionar treinador da Roma: notícias

As despedidas de Fernando Santos são oficiais há dias e a federação lusitana está a trabalhar para lhe encontrar um substituto. O sonho é justamente do atual treinador da Roma que, segundo a imprensa portuguesa, se reunirá com o presidente Fernando Gomez depois do Natal para dar uma resposta definitiva.

ROMA-BOLOGNA AO VIVO

Federação Portuguesa de Futebol continua a pressionar José Mourinho para levá-lo ao banco da seleção. Pelo que ele relata Para Bolao presidente federal Fernando Gomez se encontrará com o técnico da Roma no dia 26 de dezembro para uma resposta definitiva do Especial. Desde que se tornou oficial a despedida de Fernando Santos, agora ex-técnico de Portugal, José Mourinho é o principal candidato ao banco de Portugal, pelo menos nos planos da Federação Lusitana de Futebol. Os dirigentes do futebol português gostariam assim de uma resposta dentro de alguns dias para possivelmente recorrer à alternativa que, nessa altura, responde pelo nome de Rui Jorge, atual treinador da seleção portuguesa de Sub-21. Mourinho, em Portugal com a Roma, onde está previsto um amistoso contra o RKC, ficará em seu país durante o Natal. Se aceitasse a proposta da seleção, precisaria da autorização do clube amarelo e vermelho para conceder ao seu treinador a possibilidade de exercer uma dupla função, situação que nunca aconteceu na Itália.

Atribuição dupla: o que dizem as regras

Quanto à possibilidade de atribuição dupla ao Clube Nacional, nenhuma regra inequívoca o proíbe. De fato, cada federação pode decidir com seus próprios regulamentos se concede ou não a autorização. Quanto à Itália, o técnico da seleção nacional não pode desempenhar uma função em um clube ao mesmo tempo. Por outro lado, o caso dos treinadores empregados em clubes italianos que desejam treinar seleções estrangeiras é diferente: o artigo 40, parágrafo 4 do “Regulamento do setor técnico da FIGC”, na verdade, descreve as regras relativas à dupla função do técnico da seleção italiana, mas caso o regulamento de uma federação estrangeira preveja uma dupla função, não há limitação para um treinador inscrito em um clube italiano. Bastaria a autorização da empresa a que pertence.

Anterior

Se na Itália o de Mourinho fosse a primeira vez desde Herrera, no estrangeiro já aconteceu várias vezes ver um treinador de clube ao mesmo tempo que o treinador de uma seleção nacional. O caso mais recente é o de Ralf Ragnickno Manchester United e técnico da Áustria (antes da chegada de dez bruxas no banco dos Red Devils). Outros exemplos marcantes foram Guus Hiddink ao técnico do Chelsea e da Rússia, Fatih Terim no Galatasaray e treinador da Turquia, mas também advogado pau ao treinador do Az e da Bélgica o Alex ferguson que também treinou a Escócia, embora brevemente, durante seus dias em Aberdeen.


Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *