Não à redução do consumo de gás, alarga-se a frente de adversários ao plano europeu

O plano da Comissão Europeia, que pede aos Estados membros que reduzam seu consumo de gás em 15%, a partir do próximo mês, não foi exatamente aplaudido de pé pelos governos dos estados membros. Depois do não da Espanha ontem, dois outros países já manifestaram publicamente sua oposição, Portugal e Grécia, e aparentemente vários outros líderes também estão confusos.

Portugal é “absolutamente contrário” à proposta de Bruxelas, destinada a fazer face à crise provocada pela guerra na Ucrânia e às possíveis interrupções de abastecimento à Rússia de Vladimir Putin, por ser “desproporcional” e “insustentável”. para Ambiente e Energia, João Galamba, em declarações à imprensa nacional. O plano apresentado ontem pela Comissão Europeia “não tem em conta as diferenças entre os países” e “ignora que Portugal não tem interligações com o resto da Europa”, sublinhou Galamba.

E Atenas também expressou, em princípio, sua oposição ao pacote, disse um porta-voz do governo, no dia em que a autoridade nacional de energia tornou público seu plano para lidar com um possível corte no fornecimento. Mais cedo, o ministro da Energia, Kostas Skrekas, lembrou que 70% do gás natural importado da Grécia é usado para gerar eletricidade, o que significa que qualquer corte afetaria famílias e empresas.

E as dúvidas sobre o acordo proposto também se estenderiam a outros países, como Holanda e Irlanda. A queda de 15% para todos é considerada benéfica apenas para a Alemanha, a nação que teria mais problemas no caso de um novo (e possivelmente permanente) fechamento dos fluxos da Gazprom, fluxos que hoje são retomados. E também o mecanismo de leilão para incentivar a troca do gás por outras fontes de energia com compensação pública é uma medida contida no plano que o governo de Olaf Scholz havia apresentado no final de junho.

Mas no visor dos países cépticos existe também o mecanismo que permite à Comissão declarar o estado de alerta e que várias capitais gostariam de estar à frente do Conselho da UE. O texto prevê algumas exceções à meta de 15% para Espanha e Portugal, motivadas pelo facto de os dois países não estarem energicamente ligados ao resto da UE e esta mesma derrogação poderia também ser solicitada por outras nações.

Doze Estados-Membros já viram o seu aprovisionamento de gás russo parcial ou totalmente interrompido. Em resposta, a UE já se comprometeu a preencher as capacidades de armazenamento de gás para pelo menos 80% até 1º de novembro, mas há temores crescentes de que esta será uma tarefa difícil, pois a Rússia fornece 40% do gás importado do bloco e que as infraestruturas destinados a receber gás natural liquefeito carecem de gás de fontes alternativas. O novo plano de Bruxelas estará em cima da mesa em duas reuniões dos embaixadores dos 27 (Coreper), agendadas para sexta e segunda-feira, antes do Conselho “Assuntos Energéticos” de terça-feira. Para a sua aprovação é necessária uma maioria qualificada, ou seja, o sim de 55% dos Estados-Membros da UE e 65% da população europeia representada no Conselho.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.