“Nós não fizemos o suficiente, drama inaceitável”

“Muito foi feito, mas obviamente não o suficiente.” Estas são as palavras amargas com que Kristian Gianfreda, Vereador dos Serviços Sociais do Município de Rimini, comenta a ajuda prestada ao contexto familiar e à vítima do último feminicídio hediondo consumido em Rimini. Aquele em que Angela Avitabile perdeu a vida nas mãos de seu marido Raffaele Fogliamanzillo, que na noite de sexta-feira em sua casa em via Portugal massacrou sua esposa.

“O tema – diz Gianfreda – é que esses atos de violência não são sequestros, mas fazem parte de uma história, há um caminho e uma leitura dos acontecimentos que, lidos de cabeça para baixo, nos levam a pensar que talvez algo mais possa ser feito “. A referência do conselheiro diz respeito ao percurso de tratamento em que o uxoricida esteve envolvido, seguido pelo centro de saúde mental de Ausl Romagna devido à síndrome depressiva ansiosa, com perturbações atribuíveis ao bipolarismo, de que sofria há anos. “A vítima havia recebido ofertas de proteção – acrescenta – que ela recusou. Em suma, o caso era conhecido. Houve uma queixa, a polícia interveio. Acredito que nenhum erro sensacional foi cometido, mas obviamente não foi suficiente”.

A conclusão a que o comissário chegou, sem apontar o dedo a uma ou outra autoridade, mas tendo em conta o quadro geral, “para além do facto de muito ter sido feito e de terem sido utilizados os instrumentos disponibilizados”, “continua a ser inaceitável que um homem pode pensar e realizar uma ação deste tipo”. O conceito é, portanto, que “devemos fazer mais: devemos ser mais escrupulosos, devemos avaliar as situações com mais profundidade “Incomodou-me pessoalmente saber que seu marido também estava sendo seguido . E então é inevitável dizer que é hora de soar o alarme. É inaceitável que tragédias como essa ainda estejam acontecendo.”

“Ele não sabe porque fez isso”

Viviana Pellegrini, a advogada que assistiu Raffaele Fogliamanzillo no julgamento, relata a aparente inconsciência do assassino, que durante o interrogatório apresentou sinais de forte desequilíbrio, “alternando momentos de lucidez, nos quais confirmou os fatos da confissão na delegacia, para outros de perplexidade, em que perguntava se a mulher estava bem. Mas sobretudo – sublinha o advogado – ela disse que não sabia como dar uma explicação para o gesto, dizendo que não entendia por que ele tinha vindo Já na mesma noite, na frente do promotor Gengarelli disse que estava arrependido e arrependido”. para a audiência para validar a prisão, enquanto amanhã uma autópsia será realizada no cadáver de Angela Avitabile .

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.