O Estado contra a Região da Sicília pela lei dos jogos de azar: “Ilegítima a regra de transferência da licença TULPS para outra pessoa”

A norma que é objecto do recurso para o Tribunal Constitucional estabelece que deve ser considerada como “uma nova instalação, para efeitos do disposto no n.º 1 […] b) instalação do dispositivo em outra sala em caso de transferência da sede”. Uma audiência no Tribunal Constitucional está marcada para hoje.

“A intervenção regulamentar em causa visa obviamente prevenir a propagação dos fenómenos de dependência do jogo e proteger determinadas categorias de pessoas particularmente expostas aos riscos daí resultantes, identificando para o efeito os locais sensíveis perto dos quais não é possível apostar em centros de acesso livre ou instalar novos equipamentos.

Arte. 1º, § 2º, da Lei nº. 18/2021 acrescenta ao art. 6º da lei regional nº. 24/2020 o seguinte n.º 9-bis: “Para efeitos do disposto no n.º 1, a estipulação de novo contrato pelo contratante inicial já autorizado a cobrar apostas, mesmo com outro dealer, em caso de rescisão, caducidade , transferência de licença entre pais opostos ou rescisão de contrato existente, não constitui uma nova instalação. A transferência da licença para outra pessoa constitui uma nova instalação “”.

O objecto do recurso é, nomeadamente, o disposto na última frase do n.º 2 do artigo 1.º da lei regional n. 18/2021 que considera especificamente “na nova instalação a transferência da licença para outra pessoa”.

A justificativa para a legislação, que rege as habilitações policiais, reside na possibilidade de impedir sua emissão para sujeitos que, por seu comportamento pregresso, denotam baixa confiabilidade, o que pode, em abstrato, constituir um perigo à segurança e à ordem pública. Mas para o Ministério Público “é, pois, claro que o n.º 2 do artigo 1.º da lei regional n. 18/2021, na parte em que contempla “a transferência da licença para outra pessoa”, dita uma disposição legislativa sobre “ordem e segurança públicas”. E neste caso a lei regional invadiria competências que não são suas: precisamente ‘ordem e segurança públicas'”.

Em última análise, lê-se no recurso, “a necessidade de uniformidade nacional em matéria de ordem e segurança públicas parece estar comprometida pela prevista ‘transferência da licença para outro sujeito’. pela disposição contestada, que o legislador siciliano emitiu na ausência de consideração de que esta licença, como todas as licenças policiais (de acordo com o art. 8 TULPS), é de natureza pessoal e, portanto, não pode ser transferida do titular para terceiros, exceto conforme previsto pelas leis do estado ao qual é feita referência ”, conclui o procurador-geral do Estado.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.