O gasoduto dos Pirenéus que faz a Europa bater: todos querem, Macron se opõe

ROMA- O projeto original é italiano. A Espanha e especialmente a Alemanha a reviveram quando a crise do gás criada pela invasão da Ucrânia estourou. Toda a Europa está convencida disso e Bruxelas poderia incluí-lo em projetos estratégicos. Mas a França – após as primeiras aberturas – se opõe a isso com todas as suas forças. Contribuir para romper a relação entre Paris e Berlim.

O projeto chama-se Midcat, um gasoduto que atravessa os Pirenéus conecta plantas de regaseificação em Espanha e Portugal (seis no total) com o resto da rede europeia. Se implementado, poderá aumentar a disponibilidade de matérias-primas em todo o continente em 20-25%, mais da metade do que a Rússia garantiu há alguns meses.

A razão pela qual isso pode acontecer é muito simples: as fábricas da Península Ibérica que recebem GNL, o gás natural liquefeito que viaja por navio e é tratado em regaseificadores antes de ser injetado na rede, sempre têm espaço disponível. Pelo menos 30 a 35% da capacidade poderia ser utilizada durante boa parte do ano. Além disso, o Midcat também poderia ser usado para a passagem de gás da Argélia, que neste momento – além de navio – chega à UE através do gasoduto que liga a Tunísia à Itália e de lá viaja para além dos Alpes.

Mas, atualmente, a ligação entre Espanha e França está limitada a um único tubo de capacidade muito modesta. Seria preciso um maior: um assunto que se fala desde 2013, mas que desde então foi revivido – os preços explodiram – começamos a pensar em como substituir os suprimentos russos. E também sobre como fazer isso tentando gastar o mínimo possível. O projeto – que o grupo espanhol Enagas e o italiano Snam estão a cargo através de uma subsidiária francesa – foi revisto: não custaria mais de 450 milhões porque entretanto a rede europeia expandiu-se e o tempo necessário para a sua instalação pode ser muito rápido, mesmo menos de um ano.

Além da Espanha, o impulso para o projeto é a Alemanhao país mais afetado pelo fim do fornecimento de Gazprom. Chanceler Olaf Scholz passou tanto em ocasiões públicas como em reuniões oficiais com o Primeiro-Ministro Sanchez. Bruxelas está obviamente interessada. Mas todos devem lidar com a oposição manifesta do Eliseu. Mesmo nessas horas, Paris lembrou outros países de sua oposição. A razão? “Não é sustentável do ponto de vista econômico nem do ponto de vista ambiental.” Isto foi apoiado por uma fonte atribuível ao Elysée antes da reunião marcada para esta manhã em Bruxelas entre o primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez, o presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro português Antonio Costa, que se concentrará no MidCat e nas interconexões energéticas na UE.

No entanto, Paris mantém uma porta aberta para o projeto, afirmando-se “extremamente interessada” em prosseguir o diálogo sobre as interligações e assegurando que tentará “encontrar soluções de médio e longo prazo com os seus parceiros ibéricos”, como sempre foi “a favor da solidariedade energética europeia e, claro, interligações”. Macron, portanto, abordará – além da questão MidCat – as questões deinterligação elétrica e talvez o de longo prazo relativo a uma estratégia europeia para o hidrogénio. A opinião do presidente francês, explicam as fontes, é que nesta fase é necessária uma discussão de natureza política e não técnica, para confrontar os pontos de vista e as necessidades dos três países e como avançar juntos. .

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *