O gol fantasma de Lampard na Alemanha-Inglaterra: o grande lance da Copa do Mundo de 2010

Pode ter sido o 2 a 2 que virou o jogo, foi um descuido que fez história e teve papel decisivo na tecnologia do futebol.

Steven Gerrard, Frank Lampard, Wayne Rooney, Jamie Carragher, John Terry, Ashley Cole. E então Carrrick, Crouch, Defoe, Milner. Tudo com a maturidade certa, experiência. Técnico: Fábio Capello. Provavelmente A Inglaterra partiu para a África do Sul em 2010 ela era uma das mais fortes, mais bem equipadas e mais prontas para tentar trazer a Copa do Mundo para casa depois de 44 anos, mesmo que o grito “está voltando para casa” ainda não tivesse se tornado um ponto forte.

Este sonho foi interrompido, como costuma acontecer na história do futebol anglo-saxãoAlemanha, em uma das partidas das oitavas de final mais polêmicas da história do futebol, que entrou para a história assim como a final de 1966 por um caso de gol fantasma. Mesmo episódio, mesmos oponentes, final diferente. Se nesta ocasião foi o gol de Hurst validado a favor da Inglaterra que gerou discussões, há 12 anos aconteceu o contrário: um chute de Lampard acertou na trave, rebateu na linha e saiu. Um gol sem gol que então sancionou a eliminação da Inglaterra e deixoutrens pesados, difíceis de superar.

A Copa do Mundo da Inglaterra até aquele momento estava longe do brilho que se poderia esperar, também porque era acima de tudo a questão do guardião na fase de grupos: David Green havia começado a primeira partida do grupo C contra os Estados Unidos, mas havia deixado escapar uma bola muito fácil em um chute de Dempsey que acabou custando o 1-1.

A volta de David James no gol – proposta por Capello e desejada pelos jogadores – deu mais segurança ao time, que então conseguiu se classificar ao empatar com a Argélia e vencer a Eslovênia, contentando-se, porém, com um segundo lugar que assim colocou os ingleses na frente da Alemanha, vencedora do grupo D.

Getty Images

A jovem Mannschaft que quatro anos depois no Brasil erguerá a taça aos céus passava por um período de transição, mas chegara à África do Sul com o entusiasmo das juventudes de Müller e Neuer, mais os vários Khedira, Özil, Boateng e os já experientes Lahm, Schweinsteiger, Podolski, Klose. Uma equipa sólida, capaz de praticar um grande futebol, e que não deixou de o provar ainda nos oitavos-de-final em Bloemfontein.

Sob o som ensurdecedor das vuvuzelas, David James foi imediatamente desafiado por Özil logo aos três minutos, depois aos 20 desistiu como habitualmente. Miro Klose, assistência direta de Neuer em tiro de meta, com forte cumplicidade da defesa inglesa. Os dois gols de Podolski pareciam ter arruinado o jogo para a Alemanha, mas uma reação repentina dos Três Leões da O cabeceamento de Upson aos 37 minutos ameaçou mudar completamente as coisas. De fato, a apenas um gol do empate, a Inglaterra começou a pressionar e colocar a defesa alemã em sérias dificuldades.

O episódio ofensivo chegou apenas 53 segundos após o 2-1, com 37 minutos e 42 segundos no relógio. Depois de uma excelente recuperação de bola no meio-campo, a ação continuou com Defoe, parado na entrada da quadra por um desarme de Friedrich. A bola caiu na área de Lampard, que finalizou da entrada da área e encontrou uma pomba que surpreendeu Neuer. A bola atingiu a parte inferior da trave, quicou no campo bem além da linha do gol e acertou a trave novamente antes de cair nas mãos de Neuer, que colocou de volta em jogo imediatamente – e Podolski quase marcou o 3-1 na continuação da ação.

“Eu imediatamente entendi o que havia acontecido, então imediatamente tirei a bola do gol esperando que eles não entendessem que ela havia entrado. Tentei não ter reações” admitiu o número um alemão mais tarde.

Os protestos surgiram dos jogadores da Inglaterra, que viram claramente como a bola quicou na linha: Lampard já havia torcido, assim como Fabio Capello no banco, antes de puxar as mãos em descrença.

Parecia que todos notaram um pouco, obviamente, exceto o ref Jorge Larrionda, considerado um delator de primeira: o uruguaio, de 42 anos, estava em sua segunda Copa do Mundo depois da Alemanha 2006, onde também liderou a semifinal entre França e Portugal. Ele também deveria ter estado na Coréia-Japão em 2002, não fosse uma suspensão devido a uma investigação sobre irregularidades na arbitragem e corrupção pela federação de seu país.

Jorge LarriondaGetty Images

Ele havia recebido o prêmio de melhor árbitro sul-americano em 2007 e 2009 (naquele ano também foi o quarto colocado geral) de acordo com o ranking da IFFHS. Prêmio que também conquistou em 2011, quando apitou sua última final, a da Recopa Sul-Americana.

A disputa entre Alemanha e Inglaterra foi sua última partida direta na Copa do Mundo, já que lhe custou a exclusão do torneio. No ano seguinte, aposentou-se dos gramados: mudou-se imediatamente para trás de um escritório da FIFA, cuidando da nomeação de árbitros para os grandes torneios organizados pela federação internacional.

Naquela tarde em Bloemfontein quem o auxiliava, na lateral do campo onde ocorreu o episódio, era o bandeirinha Maurício Espinosa, que poucos dias depois do crime admitiu o erro óbvio ao El País.

“Foi um arremesso muito rápido e não consegui enxergar muito bem, mesmo estando na posição certa. Não vimos um único replay no intervalo, mas tivemos uma ideia do que aconteceu. Então, quando vimos na TV, percebemos. Foi uma grande decepção porque estávamos preparados há muito tempo. Isso pode acontecer com qualquer um. A vida continua”.

A Inglaterra até teria tido muito tempo para empatar e nem foi tão longe, visto que o próprio Lampard chegou a acertar um travessão sensacional no segundo tempo. Mas então Thomas Müller enlouqueceu, cujo duplo definiu o 4-1 final com a qual a equipa de Löw conquistou os quartos-de-final. Ele venceria a Argentina de Maradona por 0 a 4 antes de enfrentar a Espanha, então campeã mundial, nas semifinais. A corrida da Inglaterra, por outro lado, chegou a um fim prematuro novamente, com muito pesar por um gol que realmente poderia ter mudado a maré.

AlemanhaInglaterra 2010Getty Images

“Tinha a certeza que ele tinha entrado, tinha saltado para dentro e eu tinha plena consciência disso” O próprio Lampard explicou com a cabeça fria, onze anos depois, “Portanto, foi muito frustrante. Começámos mal, mas se tivéssemos marcado o 2-2 teríamos feito uma jogada decididamente diferente. Depois também acertei na trave, a Alemanha marcou o 3-1 e o jogo acabou.”

Foi também o último jogo de Fábio Capello em um grande torneio: em fevereiro de 2012, ele decidiu renunciar ao cargo de técnico após o Terry-gate e a demissão da capitania do zagueiro do Chelsea sem consultá-lo. No Guardian em 2020, ele voltou a este episódio.

“Continua a ser a coisa mais incrível que já me aconteceu. É físico: quando a bola bate na trave e ela espirra assim depois de quicar no chão, é um gol.”

Mais tarde, o treinador friulano também propôs à FIFA adicionar os árbitros de golos, já em fase experimental ao nível da UEFA por vontade de Platini e também visto em alto nível de 2012 a 2017, tendo sido respondidos de espadas. Hoje, com a tecnologia, tal episódio provavelmente nunca mais aconteceria. E diz-se que este episódio foi crucial para a introdução da tecnologia no futebol, desde a tecnologia da linha de golo ao Var, mas a Inglaterra nunca o esqueceu.

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *