O golpe do leopardo. Mas as armas de chuva estão vindo para a defesa de Kyiv

Talvez pudesse ter sido melhor, mas certamente poderia ter sido pior. A reunião entre mais de 40 países da OTAN, União Europeia e não europeus, organizada em Ramstein, na Alemanha, para discutir o conflito em curso terminou com quase total unidade de intenções. Além de alguns “ses” e alguns outros “mas”, a frente comum do Ocidente se fortalece para continuar se opondo à agressão militar russa que já dura quase um ano. Com o otimismo de que essa compacidade pode levar a uma virada, senão rápida, mas decisiva. “O pacote militar dos EUA e de nossos aliados mostra nosso compromisso compartilhado de dar à Ucrânia a capacidade de partir para a ofensiva e liberar os territórios ocupados”, disse o general Mark Milley, chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA, confirmando que a guerra está prestes a entrar. . uma nova fase: não mais apenas defesa contra a invasão, mas uma contra-ofensiva para recuperar terreno e reivindicar a independência territorial.

Tanto é assim que até o nó principal da cúpula, aquele relativo ao envio de tanques Leopard pela Alemanha, exigido de todos os lados por Kyiv e potencialmente fundamental para o conflito, foi de alguma forma resolvido. Mesmo que não seja o caminho mais fácil. Berlim continua a se aninhar no envio de tanques modernos. “Não há uma opinião única sobre esta questão. A sensação de que existe uma coalizão determinada e unida e que a Alemanha é um obstáculo está errada”, disse o novo ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius. Mas o fato de a Alemanha estar de alguma forma cercada parece mais do que uma sensação. Premissa obrigatória: Os leopardos são propriedade de aproximadamente 20 países, incluindo Canadá, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Noruega, Áustria, Polônia, Espanha, Suécia, República Tcheca, Portugal e Turquia. Por que eles não podem fornecê-los a Kyiv, independentemente da Alemanha? Porque existe uma cláusula segundo a qual os alemães, que os produziram e depois venderam, devem dar luz verde a uma eventual transferência dos veículos. E ontem, à margem da reunião, alguns países que seguram os vagões se reuniram para tentar forçar sua mão. Na vanguarda estão a Polónia e Portugal. Lisboa deu vontade de treinar ucranianos enquanto Varsóvia foi ainda mais claro: “Sangue ucraniano é mesmo derramado. Este é o preço a pagar por hesitar em fornecer os Leopardos. Devemos agir agora”, disse o ministro Zbigniew Rau. Possível, se não provável, que os cobiçados Leopardos sejam fornecidos o mais rápido possível por outros países além da Alemanha com a luz verde alemã. “Não temos tempo. Devemos agir rapidamente”, reiterou pela manhã o presidente ucraniano Zelensky que, em seguida, agradecendo o apoio dos parceiros, reiterou: “Ainda teremos que lutar pelo fornecimento de tanques modernos, mas a cada dia mostramos mais claramente que ‘há nenhuma alternativa’.

De qualquer forma, o cerco deu frutos em Kyiv. Se sobre os Leopards, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, confirmar que “as consultas continuarão”, deixando a porta aberta, chegarão à Ucrânia veículos blindados, veículos de combate de infantaria e tanques de batalha, bem como sistemas de defesa aérea, armas e munições. Até da própria Alemanha, que em nota oficial anunciou que “fornecerá outras armas e equipamentos por um bilhão de euros na primavera”, chegando assim a um compromisso total de 3,3 bilhões de euros apenas em Berlim.

A Itália também está confirmada na vanguarda da ajuda à Ucrânia. O Chefe de Estado Mattarella confirma que a Itália “está do lado dos agredidos e luta pela sua independência e pela sua liberdade”, enquanto o Ministro da Defesa Crosetto, de Ramstein, não tem dúvidas: “Devemos passar das palavras aos actos o mais rapidamente possível possível”, confirmando que o nosso país continuará também a fornecer equipamento militar e civil, como geradores, tendas e vestuário.

Apesar desta unidade de palavras, e para além das divergências mais ou menos superáveis, pesam muito as palavras de Milley: “Em 2023, é pouco provável que a Ucrânia consiga expulsar todas as forças russas do seu território. Não estou dizendo que é impossível, mas acredito realisticamente que é”, disse o chefe de gabinete dos EUA, insinuando que a guerra ainda será longa e longe de ser simples. Acima de tudo, não apenas para a Ucrânia.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *