o governo Meloni pode nos excluir das licitações”

O resultado das eleições políticas de 25 de setembro e a formação do novo governo liderado pelo primeiro-ministro Giorgia Melão deu um corte muito preciso para qual será a abordagem daqueles que estarão à frente do nosso país. A maioria dos empreiteiros do litoral e em geral os concessionários do Estado Marítimo e do sector hidroeléctrico votaram a favor das forças de centro-direita, ou daquelas que sempre garantiram ajuda e apoio às nossas empresas, e certamente grande apoio, particularmente a favor de Irmãos da Itália, único partido que na legislatura anterior resistiu a todas as propostas do governo Draghi, sem aceitar compromissos e até mesmo aceitar as posições expressas por nossa categoria. As estâncias balneares italianas não esquecerão as posições que as partes tiveram em relação ao direito da concorrência e, sobretudo, recordarão por muito tempo asdiscurso proferido em fevereiro passado no hemiciclo por Giorgia Melonique desmantelou ponto a ponto os argumentos do governo Draghi sobre a reforma das concessões litorâneas incluídas a todo custo no lei da concorrência. Passamos todo o inverno de 2021/2022 fazendo todo o possível para tentar contrariar a ação do governo Draghi, que queria destruir os negócios à beira-mar e não gostaríamos de nos encontrar nessa situação novamente. Mas agora Não há mais desculpas: o novo governo é composto por forças políticas que manifestaram uma posição clara a favor da salvação das empresas balneares italianas e o compromisso deve ser mantido.

Segundo a Assobalneari Italia – Federturismo Confindustria, para resolver o problema das concessões devemos lançar e apoiar o “Documento Condinanzi“, isso é para dizer a única resposta oficialbem articulado e fundamentado com elementos jurídicos objetivos, precisos e questionáveis ​​apenas por pessoas de má fé, fornecidos pelo governo italiano a pedido da Comissão Europeia que enviou um carta de notificação. É a ferramenta que quem vai lidar com a nossa questão em nome do governo deve estudar como a Ave Maria. Na verdade, é um documento oficial do governo, que contém todos os argumentos úteis para provar que as concessões balneares não são abrangidas pela Diretiva Bolkestein: porque são bens e não serviços, porque o recurso não é escasso, porque não há interesse transfronteiriço.

Acreditamos que o próximo governo deve apenas assumir as posições contidas no “documento de Condinanzi” e apoiá-las em qualquer negociação com a União Europeia sobre o tema das praias. Ao fazê-lo, o apoio de deputados que conhecem muito bem o nosso assunto (como Carlos Fidanza dos Irmãos da Itália, Marco Campomenosi da e-League Salvatore De Meo da Forza Italia), além de novos deputados e senadores que, em suas experiências administrativas locais anteriores, sempre apoiaram as demandas dos balneários (por exemplo, Elisa Montemagnieleito da Liga na Toscana) e, finalmente, de todos os representantes políticos históricos que sempre estiveram ao nosso lado e continuarão a estar (os vice-presidentes do Senado Maurício Gasparri E Gian Marco Centinaioo ministro do turismo Daniela Santanchédeputados Deborah Bergamini E Ricardo Zucconio senador Antonio Iannone). Não temos dúvidas de que todos esses parlamentares serão incisivos na prossecução das nossas reivindicações contra o novo Primeiro-Ministro que, por outro lado, já conhece muito bem a nossa história. Considero, portanto, que hoje estão reunidas todas as condições para requerer e obter uma solução definitiva que exclua as actuais concessões balneares da aplicação de concursos públicos.

saquinho de pomodona

Como associação profissional, nosso compromisso será fornecer o mais amplo suporte técnico possível para aqueles que terão que enfrentar esse problema. Já vimos que o novo governo nem teve tempo de tomar posse, que a campanha já começou pressão da mídia contra a nossa categoria, com alguns jornais que noticiaram uma carta misteriosa pela qual a Comissão Europeia teria manifestado a sua crítica a um alegado favoritismo aos estabelecimentos balneares contido na lei da concorrência, e que atacou o Ministro Santanché acusando-o de conflito de interesses. Agora é evidente que existem poderes poderosos que trabalham nos bastidores e que têm importantes amizades entre a mídia e os políticos. São grandes grupos multinacionais estrangeiros que querem vir à Itália para tomar as praias italianas, e não vamos permitir.

© DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *