O Mediterrâneo visto de Veneza, falamos dele na Scuola S. Teodoro – MAE

(ANSAmed) – ROMA, 22 DE SETEMBRO – Progetto Mediterranea, a expedição náutica, cultural, científica e social, lançada em 2013 com o objetivo de estudar o Mediterrâneo e chamar a atenção do público para grandes questões sociais, políticas e ambientais, chegará a Veneza amanhã, sexta-feira 23 de setembro, no final da Rota 2022 da Sicília ao Golfo de Veneza.

Por ocasião da escala veneziana, Progetto Mediterranea organizou uma mesa redonda sobre o Mediterrâneo no sábado, 24, às 16h, na Scuola Grande San Teodoro, convidando importantes convidados da cultura e história de Veneza e do cientista mundial dedicado ao mar. De fato, estará presente o Presidente do Município de Veneza-Murano-Burano, o historiador Marco Borghi, o diretor do Centro Nacional de Proteção da Faixa Costeira do ISPRA Maurizio Ferla, o escritor e jornalista responsável pela ANSAmed Patrizio Nissirio , a pesquisadora do Instituto Nacional de Oceanografia e Geofísica Experimental Valentina Tirelli, a historiadora e escritora Elisabetta Tiveron, o escritor e curador Cristiano Dorigo e o documentarista e presidente do Grupo Monk Seal Emanuele Coppola.

“Viemos aqui de propósito. – diz a escritora Simone Perotti, idealizadora e cofundadora do Projeto Mediterrâneo com Francesca Piro, atual presidente – Fizemos um longo desvio da estrada que nos leva ao Oriente. E fizemos porque durante o grande passeio pelo Mediterrâneo feito com a primeira fase do nosso Projeto – 6 anos, do Médio Oriente a Portugal, da fronteira russa no Mar Negro ao Magrebe – tínhamos saudades de Veneza por motivos que o mar conhece como impor: rota, clima, circunstâncias adversas. Mas não poderíamos deixar de virar os picos aqui. Nossa viagem, que agora tem 24.500 milhas de navegação e dez anos de desenvolvimento de expedição, nunca poderia ser considerada completa sem tendo empurrado a proa do Mediterrâneo para um dos museus mais prestigiosos, vivazes e incisivos do Mediterrâneo. E Veneza não estava apenas perdendo a atração de nossos desembarques . Faltava aos nossos corações mediterrânicos “” O objectivo cultural é a espinha dorsal da nossa expedição – diz Francesca Piro – e em 10 anos de viagem conhecemos e ouvimos personalidades emblemáticas da cultura dos países que o Mediterrâneo tocou, convidando escritores, jornalistas , artistas, cientistas a bordo de tempos em tempos e ativistas do Mediterrâneo. Observe o Mediterrâneo do seu próprio ponto de vista. Para entender melhor. Para colocar melhor. Desta vez, demos um passo além: reunimos pessoas em torno de uma mesa, num confronto entre iguais, para ouvir delas, juntas, o ponto de vista do Mediterrâneo visto da margem norte do Mare Nostrum, de uma Cidade-Símbolo que, como diz Simone, nos faltou conhecimento.” “A bordo do Mediterranea – acrescenta Filippo Mennuni, um dos capitães do Mediterranea, ao leme deste troço da Rota 2022 – tripulações de voluntários vão-se sucedendo, contribuindo para tornar esta viagem. Esta sociedade de pessoas de idades heterogêneas, origens geográficas, histórias pessoais, porém tem claramente a importância do Mediterrâneo como centro cultural e político, entendido como a busca do bem comum. Esta é a mensagem que levamos conosco e que oferecemos para comparação com as pessoas que encontramos. Os portos tornam-se portas e nós, com discrição, entramos”.

Durante o evento também será possível visitar a exposição “Faces of the Mediterranean”, fotografias tiradas pelos mediterrâneos durante a viagem. Entrada livre. (ANS Amed).

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *