O pólo draghiano acabou de nascer e já está começando a se misturar

O Grande Desconhecido se foi. “Para o terceiro polo, há elementos de plataforma programática e espaço político que podem levar a um consenso que varia de um mínimo de 6% a dois dígitos. O centro de pesca de consentimento para Draghi, permaneceu suspenso em cerca de 50% e que a lista de ações com Italia viva pode interpretar, já que Renzi e Calenda sempre foram apoiadores constantes do primeiro-ministro”.

O pesquisador Fabrizio Masia explicou isso ao Adnkronos fazer uma previsão diferente daquele formulado por YouTrend, que atribuiu míseros 2% à Action e um pouco mais à Italia viva. Conclusão óbvia: não é o ouro da Masia, não era o padrão ouro da YouTrend. Os pesquisadores não se ofendem, portanto, se acharmos que valem o que valem e que todos podem dar sua opinião, o mundo é belo porque é variado.

No caso específico do Terceiro Pólo oficialmente nascido ontem, a questão é realmente complicada, como sempre perante uma equipa que se estreia eleitoralmente, tanto que mesmo o Masia se manteve naturalmente muito “amplo”, assumindo um espaço entre 6, um resultado feio de dois dígitos que pode ser meio triunfo, sinal de que a nova lista é realmente o Grande Desconhecido dessas eleições, não pode contar para nada, pois pode mudar tudo: é a força do notícias.

Tanta notícia que seu nome ainda é desconhecido. Porque cada um pode pensar como quiser, mas não há dúvida de que o Terceiro Pólo é o fato novo da situação política e em particular desta campanha eleitoral, uma novidade entre duas alianças testadas um pouco no final do século XIX, um ” Coisa” que “no final pode acabar fazendo um buraco na água, mas quem sabe. É aí que gira a questão crucial para as próximas semanas: será que Calenda e Renzi conseguirão retirar alguns votos da direita, especialmente por dissidência forçada, impedindo os soberanistas de terem maioria absoluta nos dois ramos do Parlamento?

Porque se eles conseguirem – disse Renzi ontem a Versiliana – “naquela hora vamos dizer para eles se sentarem e chamarem Mario Draghi”. É por isso que Pd e Terzo Polo talvez devam parar de dar-lhes uma boa razão, mesmo considerando que ainda existem sequelas dos eventos conhecidos daquelas semanas. Enrico Letta se concentra em seu programa e em sua equipe, ignorando o Terceiro Pólo e de fato dando a ideia de que ele não existe para ele, mas alguém como o líder da Itália vive a piada: “Há quem diga que Letta quer ser secretário-geral da NATO: com esta capacidade estratégica, os russos vêm para Portugal…”.

E ainda no mérito Renzi deu um grande passo atrás ao aceitar que no símbolo da lista apareça o nome de Calenda, o líder da formação, o homem que nos últimos dias gerou tanta discussão, mas que é aquele que poderia dar uma velocidade particular à mensagem de terceiros. E ele, cansado mas feliz, disse ontem à Linkiesta que “os cidadãos querem sair de trinta anos de bipopulismo. Faremos campanha com a força das propostas do bom senso tornando-nos o primeiro partido”. A relação com Renzi está dando certo, os dois sempre estiveram trocando mensagens e sentindo, ontem eles também se conheceram. Sobre o símbolo, destaque-se a menção ao “Renovar a Europa”, referência europeia de Renzi e Calenda, grupo europeu construído ao longo dos anos por Sandro Gozi e outros sob o signo do macronismo e do reformismo liberal, horizonte que ambos os líderes estão pensando assistindo ao Campeonato Europeu de 2024. Se a criatura que nasceu ontem terá pernas para correr.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.