o que eles decidiram sobre a Ucrânia e a crise energética

Mario Draghi, primeiro-ministro, reuniu-se com Emmanuel Macron, presidente francês. Uma reunião dedicada à Ucrânia e à crise energética.

O primeiro ministro, Mario Draghie o presidente francês, Emmanuel Macronreuniu e debateu a situação na Ucrânia e a crise energética, abordando outros temas, como a segurança alimentar e o reforço da autonomia europeia.

Draghi encontra Macron: o que eles decidiram sobre a Ucrânia e a crise energética

Jantar entre Mario Draghi e Emmanuel Macron, no Palácio do Eliseu em Paris, durou mais de três horas. Eles falaram sobre a Ucrânia, a crise alimentar e energética, tendo em vista as próximas cúpulas do G7 e da OTAN, marcadas para o final deste mês. Os dois líderes jogaram a base de uma Recuperação 2, que permite à França e à Itália enfrentar a crise. Um dos principais temas foi o fortalecimento da autonomia europeia em defesa e energia.

O Primeiro-Ministro ofereceu-se para financiar a resposta dos governos europeus à crise energética através de empréstimos aos governos, a fim de reduzir as contas das famílias e das empresas. “Todos estão preocupados com as consequências de Draghi e os mercados já estão mostrando isso. A Itália podia pagar jogos políticos desde que o BCE criasse dinheiro todos os dias. Se o spread subir para 4 ou 5%, a Itália não poderá mais pagar.

Uma recuperação 2, com maior integração na zona do euro, também pode garantir o risco da Itália de preocupações com as eleições que se aproximam”, disse ele. Alain Minc, Assessor do Presidente francês. “Se a Itália mantivesse uma liderança como a de Draghi, a França e o sul da UE formariam um bloco muito poderoso com Espanha, Portugal e Grécia” ele adicionou.

Os temas do encontro

No centro da reunião a questão ucraniana e a adesão do país à UEuma questão que divide Roma e Paris.

A Itália apoia a entrada formal de Kyiv na União Europeia, a França propõe a criação de um “comunidade política europeia“. Macron continua a repetir que não quer “humilhar” o adversário, enquanto Dragões ele é muito cético quanto às possibilidades de uma negociação de paz. A questão da Líbia e dos migrantes também foi discutida, mas também as relações bilaterais entre Itália e França, reforçadas com o “Tratado do Quirinal”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.