O que está acontecendo entre Kosovo e Sérvia

O governo do Kosovo decidiu adiar por 30 dias a introdução de uma obrigação que iria impor o uso de placas para carros kosovares em vez de sérvios, ainda predominante entre a minoria sérvia do país. A medida deveria ter entrado em vigor na segunda-feira, 1º de agosto, à meia-noite, mas os tumultos de domingo, 31 de julho, levaram o primeiro-ministro Albin Kurti a adiar o plano para 1º de setembro, lembrando, no entanto, que a obrigação se aplicará a toda a população. Outra medida que deveria ter entrado em vigor em 1º de agosto, mas foi novamente adiada para setembro, exigiria que os cidadãos sérvios que desejassem entrar em Kosovo obter um documento adicionalcomo já acontece com os cidadãos kosovares que chegam à Sérvia.

No domingo, centenas de pessoas pertencentes à minoria sérvia estacionaram caminhões e carros em frente aos dois principais pontos de passagem de fronteira entre Kosovo e Sérvia em protesto, forçando a polícia local a fechá-los. A situação deve se agravar no final da noite quando a polícia do Kosovo informou que foram disparados tiros contra a polícia. Em entrevista coletiva, o presidente sérvio Aleksander Vucic – conhecido por suas posições profundamente nacionalistas – disse ser a favor da paz, mas alertou que se os sérvios forem ameaçados, não desistirão e “A Sérvia sairá vitoriosafazendo com que vários analistas acreditassem que um conflito armado era iminente.

conteúdo do Twitter

Este conteúdo também pode ser visualizado no site vem de do.

Anterior

A relação entre Kosovo e Sérvia sempre foi bastante complicada. Após a Segunda Guerra Mundial, Kosovo – onde já era há um forte componente étnico albanês – tornou-se uma província autônoma da Sérvia dentro da República Socialista Federativa da Iugoslávia. Quando Slobodan Milosevic, que mais tarde seria um dos principais arquitetos das guerras iugoslavas da década de 1990, assumiu o poder na Sérvia no final da década de 1980, Kosovo foi colocado sob o governo direto de Belgrado. O país respondeu inicialmente com um protesto pacífico, estabelecendo um governo paralelo financiado pela diáspora albanesa, mas com pouco sucesso. É neste contexto que surgiu em 1997 o Exército de Libertação do Kosovo (UCK), cuja principal missão era a independência do Kosovo da Sérvia, inclusive por meios violentos. Entre 1998 e 1999, Milosevic ordenou uma campanha militar contra o KLA, que resultou na um conflito brutal envolvendo milhares de civis e terminou com a intervenção armada da OTAN, que bombardeou a Sérvia por 78 dias em 1999 e forçou Milosevic a se render.

Kosovo declarou independência da Sérvia em 2008, e foi reconhecido por mais de uma centena de países, incluindo vinte e dois dos vinte e sete estados membros da União Europeia, incluindo a Itália. A independência, no entanto, não foi reconhecida pela Sérvia e seus aliados, Rússia e China, o que impediu, entre outras coisas, a adesão de Kosovo à ONU. Até à data, a minoria sérvia do Kosovo é composta por aproximadamente 100.000 pessoas de uma população total de 1,8 milhões; no entanto, o governo de Belgrado atribui uma importância considerável à região e continua a exercer uma influência muito forte sobre a população étnica sérvia do país.

Reações e últimos desenvolvimentos

Embora o primeiro-ministro do Kosovo tenha decidido adiar a entrada em vigor das regras de matrícula, a situação permanece instável. o A Sérvia é um dos poucos países europeus ainda considerados próximos da Rússia; “mais um passo para a expulsão da população sérvia do Kosovo e a remoção de instituições sérvias que garantem a proteção e os direitos dos residentes sérvios“.

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.