O risco de confiar o Partido Democrata a uma nobreza emiliana

O presidente da região Emilia-Romagna Stefano Bonaccini, agora oficialmente candidato ao secretariado do Partido Democrata (foto Ansa)

Sobre Affaritaliani está escrito: “”Além das disposições únicas e da forma como é formulado em detalhes, veremos com serenidade, o julgamento sobre a manobra é tecnicamente positivo”, explica Teste no Affaritaliani.it. “O regime geral parece muito cauteloso, a decisão de concentrar recursos para mitigar o impacto da inflação é acertada. Tanto para ajudar os que não o podem fazer, empresas e famílias em dificuldade, como para travar a espiral preços-salários que corre o risco de aumentar ainda mais a inflação. Por isso, concentrar recursos para combater os efeitos da alta de preços é justo, o impacto sobre o déficit é moderado. Não aumenta a dívida e os recursos vêm de cortes orçamentários. Se olharmos para todos os bónus que existem, há muito para cortar no orçamento”. O ex-gerente da via XX Settembre, portanto, emite uma opinião positiva. “Vote 8 na manobra, mesmo que depois os detalhes tenham que ser vistos e avaliados. Esperamos que esteja bem formulado, mas é uma medida prudente que vai na direção certa”. Não somente. “O spread está caindo e mesmo que os mercados às vezes reajam de forma irracional, é certamente um elemento a ser avaliado positivamente”.

Você se lembra de Giovanni Tria? Ele era o herói da grande mídia quando Mateus Salvini papeteggiava. Ora, não servindo para contrariar o Melõesapenas o site valente, mas não central, o classifica Affaritaliani.

* * *

No Nova bússola diária Ruben Razante ele escreve: “O fato que surgiu nesses dois meses após a votação de 25 de setembro é a explosão das duas forças que alimentaram a dialética direita-esquerda por anos: o Partido Democrata e a Forza Italia. Imediatamente após a derrota retumbante nas urnas, os democratas os julgaram Enrico Letta por más escolhas na área de alianças. Já dentro do Forza Italia, a briga entre falcões e pombas estoura pela conquista dos remanescentes de uma festa sem identidade. É um sinal inequívoco dos tempos: os pivôs do sistema político não são mais Berlusconi e pós-comunistas. E é estranho que os chamados pais fundadores dessas duas forças políticas o tenham decretado, abertamente ou por suas próprias ações. fez muito barulho ontem um encontro publicado na primeira página do Corriere della Seraem que o editor Charles De Benedetti, cartão número 1 do Partido Democrata, efetivamente decretou o fim. “As democracias modernas são minadas por dois males que as consomem por dentro: a crescente desigualdade e a destruição do planeta”, disse De Benedetti. “Um partido progressista que não coloca esses dois pontos no topo de seu programa é inútil e, de fato, acaba como o Partido Democrata; que conquistou a burguesia e perdeu o povo. E para acrescentar: “O Partido Democrata é um partido de barões presos ao governo há dez anos sem nunca ter vencido uma eleição”.

Razzante compreende bem como os dois protagonistas da Segunda República (Forza Italia e Ulivo que mais tarde se tornou um partido com o Partido Democrata) estão, após a votação de 25 de setembro, em particular dificuldade estratégica, e ao mesmo tempo raciocinam sobre o fato de que um processo de polarização política A Itália ainda é incerta, com até quatro “pólos” presentes nas últimas eleições. Esta é uma análise inteligente, mas que precisa ser refinada: devemos primeiro observar como um “movimento conservador” popular e de massas está se desenvolvendo à direita, substituindo o “personalismo de emergência” imposto desde 1992 (com também uma esquerda desenhada em correspondência e em contraste com este “personalismo”), e como esta nova corrente conservadora se inscreve em processos europeus análogos que vêem a direita mais radical e a direita moderada começarem a fundir-se. À esquerda, pelo contrário, uma social-democracia de governo tal como se forma no Norte da Europa, em Portugal, na Grécia (onde primeiro ganhou, depois perdeu nas eleições, mas manteve-se inabalável), luta para se estabelece na Itália, e que em parte está se formando na Alemanha: o impulso de posições radicais (peronistas na Itália) retarda esse processo tanto na França quanto, em grande medida, na Espanha. E as contradições também são causadas pelo acúmulo de personalidades (de Carlos Calenda no Mateus Renzido letizia moratti ao próprio Carlo De Benedetti) muitas vezes movido apenas pelo ressentimento, ou, às vezes, mais nobremente, pela ambiciosa esperança de repetir a fórmula tecnocrática de Macroni. A fórmula, aliás, não apenas em crise em si mesma, mas que antes conseguiu se impor exclusivamente graças às especificidades do Estado e da sociedade além dos Alpes.

* * *

Sobre Startmag François Damato escreve: “Se ele fosse realmente eleito, o atual presidente da região da Emilia-Romagna seria a segunda lágrima na história dos comunistas e pós-comunistas italianos da regra de não confiar em nível nacional em um emiliano que cortou os dentes como administrador em seu país, porque poderia ser suspeito de ser um burguês. Ou, em todo caso, de indulgência por uma sociedade opulenta e alegre: o contrário do que se acostumaram a pensar por gerações como emuladores e sonhadores da revolução bolchevique de 1917”.

Como sempre instigante, a análise de Damato é talvez um pouco simplista. Na verdade, no antigo Partido Comunista, os emilianos (mas também em certa medida os lombardos, venezianos, toscanos) não representavam os líderes do partido, não tanto por serem muito hedonistas, mas na verdade porque não eram educados para ter esta “visão nacional” de quem cresceu no Reino da Sardenha, mas também em Roma e no Reino das Duas Sicílias. A estratégia de Togliatti, mesmo em desacordo com o socialismo do século 19 e início do século 20, concentrou-se na ideia de uma nação não desprovida de raízes cavourianas e giolitticas. O PCI sem dúvida caiu em um impasse na história, mas não faltou brilhantismo em sua trajetória. Stefano Bonaccini deveria refletir sobre essa história e talvez propor um modelo federalista de Estado que melhor lhe permita exercer um papel unificador nacional baseado em sua tradição emiliana e, portanto, na análise e não apenas na retórica.

* * *

Sobre Dagospy você pega um artigo de Marcelo Sorgi por a pegada onde está escrito: “Sabendo, no entanto, que o Partido Democrata é o produto da crise simétrica do DC e do PCI, os atuais líderes vêm dos dois grandes partidos de massas do passado. “Um amálgama fracassado”, definiu D’Alema. Esquecendo os democratas-cristãos, ou pior, considerando os democratas-cristãos de esquerda que se fundiram em 2007, via Margherita, com o partido fundado por Veltroni, Isso seria um erro. Com efeito, é desta diferença entre os que estiveram no governo durante meio século e os que estão na oposição que devemos partir – o ex dc como deve fazer o ex pci – para melhor compreender as questões de hoje”.

As observações de Sorgi são perfeitas: o Pd nasceu bugado de dois pais falantes como Walter Veltroni e um empresário como Romano Prodi. ele precisava de um Jacques Delors que casam concretamente os sentimentos cristãos com os projectos socialistas, o seu baptismo foi essencialmente abençoado pela retórica de figuras Panini semelhantes a Veltro e pelas privatizações de Prodi realizadas à maneira de Carlos Menem E Boris Yeltsin.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *