o sinal lançado por Pioli contra o Torino

o Milão para em Turim e cai para o terceiro lugar na classificação, -6 atrás do líder Napoli. A primeira derrota fora de casa sofrida pelos campeões italianos neste campeonato e ao longo de 2022 deverá, portanto, custar caro à equipa de Pioli, não só para a preparação do jogo decisivo em Liga dos Campeões contra o Salzburgo, marcada para quarta-feira em San Siro, mas sobretudo pelas repercussões psicológicas que a equipa corre o risco de sofrer em pleno face a face com a equipa de Spalletti.

Assista a galeria

Rankings da UEFA, todos italianos: Roma e Lazio em alta, Juve em queda

Os “senadores” traem Milão

O nocaute do Grande Torino ocorre apenas duas semanas após o conturbado sucesso de Verona, na noite que coroou o Milão como a única formação nas principais ligas da Europa ainda invicta fora de casa no ano civil. Em Bentegodi um lampejo de tonal ele havia afastado os maus pensamentos e mantido Pioli no rastro de Nápoles, enquanto em Turim foram os senadores de Milão que o traíram. Ou pelo menos aqueles que estão no chão. Do Theo Hernandez até o próprio Tonali, substituído no meio do segundo tempo, mas sobretudo Rafa Leãoque pagou por todos com Brahim Diaz e Kalulu o mau primeiro tempo jogado pelo Milan contra o Granada.

Milan perde, Leão irrita Pioli

Sim, porque em uma noite que viu os campeões italianos em geral jogarem sob a batida, o duas ocasiões sensacionais desperdiçado por Leão nos primeiros cinco minutos teve uma influência decisiva no desenrolar da partida. Primeiro um rebote mal lido, depois uma placa direita muito quebrada de dentro da superfície. De fato, o jogo ofensivo do Milan terminou aqui, já que em 90 minutos os rossoneri fizeram apenas um chute a gol, a do Messias Autor do 1-2, mas o de Leão também acabou, não tendo conseguido voltar a ligar-se ao jogo e aos seus companheiros no resto da primeira parte.
Não ver Rafa saindo do túnel do vestiário no início do segundo tempo surpreendeu a todos, desde os torcedores do Milan no estádio e na frente da TV, talvez até os próprios companheiros de equipe, até obviamente o interessado.

Leão, primeira substituição técnica após 13 meses

Certamente não podemos pensar em uma escolha técnica do ponto de vista da Liga dos Campeões, mas em uma “punição” pela atuação oferecida pelos portugueses contra o Torino, não apenas pelos gols em falso, como sugerido por Pioli no pós-jogo. Afinal, os números explicam o atípico da noite vivida por Leão, que não foi substituído por opção técnica por mais de um ano: 25 de setembro de 2021em La Spezia, 0-0 ao intervalo e no final o Milan venceu por 2-1 graças ao relâmpago de última hora de Cristiano Maldini. Desde aquele dia, Leão terminou 21 partidas prematuramente, 15 na última liga e seis na atual, mas nunca por más atuações e chegou a ser substituído em nove delas nos últimos 10 minutos. Este ano, em particular, os portugueses nunca tinham jogado menos de 65 minutos, com exceção do último jogo contra Monza, em que ele havia substituído o banco, e aquele contra Sampdória, encerrado no início da recuperação para o cartão amarelo duplo notou a desclassificação contra o Napoli. O Milan não perde no campeonato com Leão em campo desde 17 de janeiro em San Siro contra o Spezia e fora de 20 de novembro em Florença, data do último nocaute fora antes de uma longa sequência útil na qual Pioli construiu o ano do scudetto . Agora, seis pontos para recuperar em Nápoles muito rápido pode parecer muito, especialmente se suas estrelas estão tirando noites de férias…

Milão, o programa durante a trégua mundial

Veja o vídeo

Milão, o programa durante a trégua mundial

Inscreva-se no Corriere dello Sport Fantasy Championship: Mister Calcio CUP

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *