Ocean Viking desembarca em Toulon, França encerra suas realocações com a Itália

O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, anunciou que o navio humanitário Ocean Viking, com cerca de 230 migrantes a bordo, será acolhido no porto de Toulon (Var), mas por motivos de saúde alguns passageiros serão transportados para a Córsega. A Itália se recusou a desembarcar os migrantes em um porto seguro italiano. “Cada hora a mais no mar agora coloca em perigo a vida de alguns de seus passageiros – disse Darmanin – As novas autoridades italianas tomaram a incompreensível decisão de não responder aos inúmeros pedidos de assistência feitos pelo navio nos últimos dias, apesar do navio estava, sem qualquer disputa possível, na zona italiana de busca e salvamento”. Entretanto, a Comissão Europeia também reagiu de Bruxelas: “O que observamos no Mediterrâneo mostra-nos que precisamos de uma cooperação entre os Estados europeus e que devemos avançar o pacto sobre a migração: a Comissão está lá para ajudar, não queremos culpar um Estado ou outro”. Um porta-voz da Comissão disse durante o briefing diário comentando as ações da França no Ocean Viking.

O mecanismo de solidariedade

O “Mecanismo Voluntário de Solidariedade” para a redistribuição de migrantes surge na sequência da declaração política adotada em 10 de junho no Luxemburgo pelo Conselho Europeu dos Assuntos Internos, sob a presidência francesa, e prevê a recolocação anual de cerca de 10.000 migrantes identificados principalmente entre as pessoas resgatadas no mar na sequência de operações SAR no Mediterrâneo central e ao longo da rota do Atlântico Ocidental.

A Declaração foi partilhada por 19 Estados-Membros e 4 associados à União Europeia que, portanto, participam no Mecanismo: Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Alemanha, Grécia, Espanha, Finlândia, França, Croácia, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo , Malta, Holanda, Portugal, Romênia, Dinamarca, Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein. No entanto, até à data, foram assumidos compromissos reais de participação na recolocação por 13 países, num total de 8.289 ações: Alemanha, França, Portugal, Irlanda, Roménia, Noruega, Bulgária, Finlândia, Bélgica, Croácia, Luxemburgo, Lituânia e Islândia.

A Itália, como lembrou hoje o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, é o maior beneficiário das transferências, com 3.500 realocações de refugiados esperadas até o verão de 2023, com base nas chegadas registradas em nosso país. A França foi o primeiro país a participar do Mecanismo, acolhendo 38 requerentes de asilo que chegaram à Itália em 25 de agosto. A operação foi precedida por pré-identificação, foto-sinalização e exames de saúde por parte das autoridades italianas e pela análise de arquivos individuais e entrevistas por parte da delegação francesa que chegou especificamente aos centros de acolhimento italianos. Posteriormente, em outubro, da mesma forma, a Alemanha recebeu 74 refugiados que chegaram à Itália. Uma nova delegação francesa logo se encarregaria de 50 migrantes adicionais, mas hoje houve uma escala em Paris. 5 outros foram posteriormente aceites pelo Luxemburgo.

A França é o país que mais participa “generosamente” no sistema, tendo manifestado o desejo de acolher 3.500 requerentes de asilo dos 10.000 previstos no acordo. Segue-se a Alemanha com 3.000. Com quotas significativamente inferiores, Portugal e Irlanda (350), Roménia (285) e Noruega (200).

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *