Oeste em pedaços, Europa em colapso não pode mais estar errado

É um mau momento para os inimigos de Vladimir Poutine. O Kremlin conseguiu abrir outra garrafa de vodka na noite de quarta-feira, sabendo da queda do segundo governo europeu em poucos dias. Depois do britânico Boris Johnson também Mario Draghi faça as malas no que parece ter se tornado uma corrida para ver quem tira o máximo proveito da liderança da nação. E a França de Emmanuel Macron encontra-se há cerca de um mês com uma Assembleia Nacional sem uma certa maioria. Enquanto isso, o chanceler alemão Olaf Scholz caiu na tristeza e o presidente dos EUA, Joe Biden, que caiu nas pesquisas para mínimos recordes, pretende recuperar o consenso antes das eleições de meio de mandato em novembro com preocupações sobre a política doméstica. Em suma, a Ucrânia não está mais no centro das preocupações ocidentais e está perdendo aliados valiosos. De facto, a Rússia está a fazer progressos na Donbass e o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, pode dizer com segurança que este não será o único alvo de Moscou.

A crise do Ocidente

Em termos muito simples, a Rússia acaba de nos enviar uma mensagem de guerra e nossos governos se voltaram para o outro lado, fingindo não entender. O Ocidente está despejando em um profundo crise econômica e existencial. Se a Gazprom não reabrir o gasoduto Nord Stream 1, a Europa ficará sem gás. Um inverno com racionamento de energia é um’inflação acelerar mais em vez de cair. Enquanto isso, a economia se aproxima recessão. O PIB já está desacelerando o crescimento, mas o pior aconteceria nos próximos meses, quando os governos teriam que escolher entre fornecer gás às residências para aquecimento ou às empresas para continuar produzindo.

Putin ficará exultante. Na Rússia, o poder não vem do povo. Será suficiente para o ditador não incomodar os altos executivos, os militares e os demais oligarcas para permanecer no poder. Na Europa, no entanto, a situação é mais complicada do que nunca. A zona euro é a união de 19 estados (20 a partir do próximo ano com a entrada da Croácia) com tantos governos e políticas orçamentais, que partilham uma moeda única. A estrutura é incompleta, portanto ineficaz. Cada Estado se financia nos mercados a taxas diferentes dos demais, então deduzimos fragmentação monetária o que acaba deixando todos infelizes. As taxas de juros são geralmente altas para o sul da Europa e baixas para o norte da Europa. O primeiro está lutando com o crescimento, o segundo teme a inflação galopante.

Europa paralisada

o crise de energia nos últimos meses, ele acentuou precisamente esses temores. o Aumento da taxa do BCEnecessário sob todos os pontos de vista, corre o risco de implodir as dívidas soberanas de Itália, Espanha, Grécia e Portugal. Por outro lado, ainda é muito modesto acalmar as taxas de inflação em todos os lugares. Em essência, a área do euro estaria à beira de mergulhar estagflação. o escudo espalhado apresentado ontem pelo BCE não vai resolver o problema na sua raiz, vai simplesmente colocar um remendo nele de vez em quando e nem necessariamente grande o suficiente para cobrir toda a ferida.

A Europa tratou mal Crise de débito soberanos durante o biênio 2010-’11. Pense em vez de ser mais esperto que o especulação financeira pela raiz, as facas voaram para Bruxelas até o euro estar a um passo de seu desaparecimento. Draghi, então governador do BCE, evitou-o no último minuto, razão pela qual agora é estimado em fóruns internacionais. A resposta ao pandemia mas foi mais eficaz. Como a crise da saúde parecia a todos um choque simétrico, a Comissão lançou um plano de dívida conjunto (Recovery Fund) e o BCE um plano extraordinário de compra de títulos (PEPP).

Avanço russo em uma Europa quebrada

A guerra na Ucrânia não vê uma resposta comum.

Cada governo acredita sempre que pode fazer melhor do que os outros e por isso tenta ir sozinho sem assumir medidas comuns credíveis, senão a única castigos contra a Rússia. Mas a crise energética já está deixando a economia alemã de joelhos. A inflação devora o poder de compra em todos os lugares e semeia o descontentamento. O risco de recessão está aumentando para todas as economias nacionais. Finalmente, a ameaça de guerra realmente não poupa ninguém.

Sob essas condições, o Ocidente não pode mais se dar ao luxo de ir em nenhuma ordem particular e perseguir projetos míopes de alcance nacional, talvez tentando guardar rancor internamente. Há a União Europeia contra o Reino Unido no Brexit, o norte da Europa contra o sul na zona do euro, a Europa e os Estados Unidos se olhando com desconfiança mútua da guerra. Nesse ritmo, Putin ganha e o Ocidente perde. Vamos encarar. Se a zona do euro, em vez de olhar para 2020, voltar a 2011 e pensar em usar o chantagem para espalhar colocar a Itália em xeque às vésperas das eleições políticas, terá escolhido o caminho da derrota. E desta vez, não só o euro estaria em perigo, mas também a estabilidade das instituições democráticas diante do avanço russo.

[email protected]

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.