Ondas de calor na Sardenha, segundo o ministério: 50% mais mortes do que o esperado

CAGLARI. Temperatura atmosférica dez graus acima da média para o período. As do mar que vão além de cinco. Ondas de calor contínuas. Este tem sido o caso durante meses na Sardenha. E enquanto há quem se safa da transpiração, também há implicações dramáticas: de acordo com um relatório do Ministério da Saúde que acaba de ser publicado, a mortalidade dos maiores de 65 anos por causa do calor, em Cagliari, é 51% maior do que esperado.

Os quadros são inequívocos: os serviços de saúde da capital da ilha na primeira quinzena de julho, último período monitorizado, registaram um aumento preocupante de óbitos que a colocam em quarto lugar em subida face às expectativas. Pior apenas Latina (+72%), seguida por Bari (+56%) e Viterbo (+52%). As vítimas foram 65, contra 43 que foram contadas com base em estudos estatísticos.

No estudo do Plano Operacional Nacional da Protecção Civil, lemos que “esta primeira análise” publicada “mostra que as altas temperaturas e ondas de calor que afectaram o nosso país no mês de Junho e nas primeiras 2 semanas de Julho estiveram associadas a aumento da mortalidade, principalmente nas regiões centro-sul mais afetadas pela intensidade e duração do fenômeno.

O documento refere ainda que “na ausência de medidas de redução das emissões, o aquecimento global poderá ultrapassar os 2°C até meados do século, com uma concomitância de efeitos que vão desde o aumento das temperaturas extremas, a seca e os incêndios, a diminuição da cobertura de neve e da velocidade do vento, além da elevação média do nível do mar”. Isso se chama aquecimento global. E também mata diretamente .

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.