Os 10 principais destinos para nós digitais

O conceito de viver viajando era, até recentemente, considerado privilégio de poucos intrépidos e ricos. Hoje, a drástica mudança no mundo do trabalho após a pandemia permitiu revolucionar completamente a forma como concebemos o próprio trabalho.

Isso é tudo então os nômades digitais se tornaram uma tribo em constante e rápida expansãoe, portanto, exigem cada vez mais espaço para se mover livremente.

remote.com compilou uma lista com as 100 melhores cidades para trabalhar remotamente, levando em consideração fatores como conexão com a internet, espaços de coworking, custo de vida, tarefas a serem realizadas e segurança.

Extrapolamos 10 propostas que também incluem muitos lugares exóticos, para sonhar um pouco!

Toronto Canadá)

Considerada uma Nova York com alma (e mais barata), Toronto é uma cidade moderna, dinâmica e repleta de atividades culturais; também fica relativamente perto de Nova York, a um passo das Cataratas do Niágara e na fronteira com os EUA.

A qualidade dos transportes públicos e as propostas de diversão nocturna são muito elevadas. Uma população diversificada e hospitaleira completa o quadro.

Chiang Mai, Tailândia)

A mais emancipada das cidades do Triângulo Dourado, Chiang Mai, localizada no norte da Tailândia, perto da fronteira com Myanmar e Laos, é uma cidade que captura o coração e a alma. Esqueça o mar e as praias exuberantes, está aqui na serra e as noites de inverno podem até ser frias, mas a beleza das paisagens é verdadeiramente deslumbrante. A cidade em si é amigável para nômades digitais, cheia de expatriados e viajantes de todo o mundo.

Não só isso, é fácil encontrar espaços de coworking com ligação de banda larga e certamente não faltam atividades de todo o tipo, culturais, desportivas, gastronómicas.

Também é muito seguro.

É também a referência para as escolas de massagens: que lugar melhor para combinar relaxamento e vida a um custo menor?

Willemstad (Curaçao)

Se, por outro lado, você procura o mar tropical digno de um cartão postal, está satisfeito: Curaçao é uma ilha caribenha pertencente ao Reino dos Países Baixos, tem pouco mais de 150.000 habitantes e se destaca por suas praias idílicas. e recifes de corais.

Mesmo estando geograficamente localizado na América Latina, possui um caráter inteiramente ocidental, bem visível na arquitetura colonial da capital Willemstad.

Um caldeirão de povos e culturas, que se reflete no caráter sociável dos habitantes e na gastronomia variada. Perfeito para desfrutar do paraíso em uma pausa para o almoço.

Auckland, Nova Zelândia)

Longe, muito longe, a Nova Zelândia é um lugar mágico, que além das cidades tem uma natureza selvagem e preservada.

Auckland é o compromisso perfeito entre a vida urbana segura, eficiente e agradável e o contato com a natureza de rara beleza. Nos últimos anos tornou-se muito popular entre mochileiros e nômades digitais, viu o custo de vida aumentar, mas ainda é uma ótima opção para experimentar pelo menos uma vez na vida.

Svalbard, Noruega

Aqui, viramos completamente a página e invertemos o aspecto naturalista, mantendo-o em níveis muito elevados. Estamos longe da costa norueguesa, praticamente na Groenlândia. Um lugar único, onde ursos, renas, focas dominam a região.

A Noruega oferece vistos para cidadãos de fora da UE para aqueles que se mudam para trabalhar em Svalbard e as ilhas têm 2.500 espaços de coworking, além de excelentes conexões de internet nas cidades.

Ser capaz de passar o tempo também é uma grande oportunidade de garantir que você veja as espetaculares luzes do norte à medida que evolui.

Salt Lake City (EUA)

A Remote.com escolheu Salt Lake City, Utah, como a melhor cidade dos Estados Unidos para nômades digitais. A combinação de espaços de coworking abundantes e eficientes, juntamente com excelente transporte público e um custo de vida relativamente acessível (para os EUA), fazem de Salt Lake City um destino de visita obrigatória para quem gosta de viajar.

A área circundante apresenta algumas das mais belas paisagens do mundo, com os principais parques nacionais nas proximidades – Zion e Arches, para citar alguns.

Madeira (Portugal)

Faz parte de Portugal, mas é uma ilha no arquipélago de Marrocos; e como todos os lugares onde a posição geográfica não coincide com a orientação cultural, tem características únicas. Embora não faltem visitantes, dado o clima ameno durante todo o ano, as autarquias estão a desenvolver programas específicos para atrair os nómadas digitais e aumentar o número de residentes permanentes ou semipermanentes.

Mishima (Japão)

Destino perfeito para os amantes do Extremo Oriente ou para quem tem curiosidade de conhecer novos lugares e culturas. Mishima é muito popular entre os japoneses, mas não muito popular entre os turistas estrangeiros, por isso é ótimo para experimentar o autêntico estilo de rua. Tudo inserido num contexto urbano vanguardista, para tecnologia, transportes e vida social e nocturna. Leva apenas 45 minutos de Shinkansen (trem-bala) para chegar a Tóquio.

Taghazout (Marrocos)

Pequena vila de pescadores, famosa entre os surfistas por suas ondas, é um dos melhores destinos litorâneos para quem gosta de viver de viagens e trabalho. Muito económico, com rendas mensais inferiores a 200 euros, permite conjugar relaxamento, desporto e entretenimento num cenário paisagístico sugestivo; tudo sem o peso das finanças.

Zadar (Croácia)

Vamos ficar na Europa, perto de casa, para um destino verdadeiramente incrível. Zadar tem um mar lindo e uma atmosfera vibrante; uma cidade moderna com belas ruínas romanas, caracterizada por um custo de vida relativamente baixo para os padrões europeus e um clima ensolarado na maior parte do ano. Uma oportunidade para descobrir a costa da Dalmácia fora da temporada turística de verão.

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *