Os licores Paesano contam com uma cadeia de suprimentos curta e ingredientes autênticos

O nome dado a esta startup, nascida há cerca de cinco anos em Niscemi, na província de Caltanissetta, e estabelecida com o capital privado dos dois sócios fundadores, é em si evocativa e remete para tradições, artes e cultura. . E é precisamente a produção totalmente artesanal de licores e bitters, em estreita colaboração com muitas realidades locais da Sicília, a resposta que Paesano quer dar a esta fatia cada vez mais ampla de consumidores que procuram comida ou bebida. “Etiqueta limpa”ou seja, feito com ingredientes conhecidos e com baixo índice de manuseio de matéria-prima.

A fruta siciliana é, portanto, o ícone de um projeto que visa devolver a importância aos licores criados com ingredientes frescos e selecionados, oferecendo uma solução alternativa a uma das tendências consolidadas no mundo das bebidasnomeadamente a utilização em larga escala de corantes, aditivos de todos os tipos e aromas artificiais.

A história da Paesano se reflete na paixão de seus fundadores e na intuição de fazer da autenticidade do produto local uma marca de exportação. Suíça (o batizado de um spritz especial à base de romã amaro ocorreu no Lago de Zurique), Alemanha, Espanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Principado de Mônaco, Polônia e Letônia são de fato os mercados onde a startup atua e que contribuem substancialmente para o desenvolvimento de um volume de negócios que deverá atingir os 350 mil euros em 2023.

O modelo operacional é simples: todo o processo de fabricação é gerenciado por produtores parceiros e mestres destiladores locais, a quem Paesano confia as quantidades e variedades de frutas e citrinos característicos da ilha (pistácio, romã, figo, alcachofra e limão) para serem transformados em produtos acabados em embalagens de 4 ou 6 garrafas. A empresa é responsável pela compra de materiais como vidros, rótulos, embalagens e embalagens, logística, marketing e vendas nos canais de consumo e B2B (restaurantes e redes hoteleiras, entre os quais se destacam os nomes Marriott e Belmond). .

“Passamos a marca de 13.000 garrafas embarcadas no ano passado e planejamos ultrapassar 25.000 no próximo ano, com um peso de exportação de cerca de 45%“, disse o único diretor da Paesano à Sole 24 Ore, Giuseppe Cinquerruiconfirmando que o país mais ativo no exterior é o Luxemburgo, seguido pela Suíça e Holanda, e que na Itália as regiões mais bem servidas são a Sicília e a Lombardia.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.